Site Antigo – Newsletters (8)

Este o texto da oitava página, as Newsletters de Ayn Rand: Newsletters Durante quinze anos de sua vida, de 1962 a 1976, Ayn Rand publicou newsletters (usando três títulos diferentes para elas). Felizmente elas estão hoje coletadas em três grandes volumes, e, portanto, são facilmente acessíveis por parte dos interessados. São estes os volumes: The […]

Site Antigo – Resumo das Ideias (3)

Este o texto da terceira página, Resumo de Suas Ideias: Ayn Rand: A Face Contemporânea do Racionalismo, do Individualismo e do Liberalismo  Eduardo Chaves Introdução: O Projeto de Ayn Rand A Filosofia A Metafísica A Epistemologia A Ética A Filosofia Política A Visão da Economia A Estética “‘Deus, conceda-me serenidade para aceitar as coisas que […]

Site Antigo: Home Page (0)

Site velho da Ayn Rand

Este era o meu site antigo dedicado às ideias de Ayn Rand. Era hospedado no site http://aynrand.com.br. Esta “Home Page” faz referência ao fato de que em 2 de Fevereiro de 2005 estaríamos comemorando o centenário do nascimento de Ayn Rand. Essa página, portanto, está com mais de dezesseis anos. O site, em si, foi criado bem antes.

Finalmente consegui localizar os arquivos antigos que geravam o site. Aos poucos vou publicando aqui. Esta é a visão geral do site, a Home Page.

Transcrito aqui em Salto, 7 de Junho de 2016.

Ayn Rand’s ITOE, Ch 3: “Abstraction from Abstractions”

[Originally published in the forum “Moderated Discussion of Objectivist Philosophy”, on 09/Feb/1992, available also at http://enlightenment.supersaturated.com/essays/text/ioe1/03.html. The present publication, made almost 25 years after the first, contains minor corrections and additions to the original publication.]

Content

  1. First-Level and Higher-Level Concepts
  2. More Extensive Knowledge: Wider Integrations
  3. More Intensive Knowledge: More Precise Differentiations
  4. Psychological and Logical Processes
  5. The Importance of First-Level Concepts
  6. Is the Concept of Table a First-Level Concept?
  7. Is the Concept of Man a First-Level Concept?
  8. Notes

 o O o

Chapter 3 of Ayn Rand’s Introduction to Objectivist Epistemology (ITOE), 2nd edition, has the title “Abstraction from Abstractions” and comes right after the all-important Chapter 2 on concept formation. To understand what Rand is doing in Chapter 3 let us assume that a person has formed the concept of table (one of Rand’s examples) through the process indicated in Chapter 2, which I here presuppose [1].

1. First-Level and Higher-Level Concepts

All concepts are abstractions.

Some concepts, according to Rand, refer directly to perceptual entities or identify perceptual concretes. This is the case such with the concept of table. She calls this kind of concepts “first-level concepts”. Rand defines first-level concepts thus: “All the things which you can perceive directly [and conceptualize] without presupposing in that concept some other conceptual material, those are the first-level concepts” (p.214; the passage in brackets is an interpolation by Harry Binswanger) [2].

Other concepts, Rand claims, are not formed directly from perceptual entities and do not identify perceptual concretes: they refer directly to, and identify, other concepts. They are “higher-level concepts”, or “abstractions from abstractions”, and so logically presuppose other concepts, in the absence of which they could not be formed. “Higher-level concepts”, says Leonard Peikoff, “cannot be formed directly from perceptual data, but presuppose earlier concepts” [3].

There are two ways of forming higher-level concepts. Taking a first-level concept such as that of table as point of departure, an individual can move in two directions:

  • Toward more extensive knowledge or wider integrations
  • Toward more intensive knowledge or more precise differentiations

Moving in these two directions an individual can form more abstract concepts, that is, concepts that are abstractions from other concepts and not from perceptual concretes.

Let us examine in some detail these two ways of forming higher-level concepts, or abstractions from abstractions.

2. More Extensive Knowledge: Wider Integrations

Once an individual has formed the concepts of table, chair, bed, cabinet, etc. he may notice that the objects identified by them have certain similarities. For example:

  • They all refer to things that are inside a human habitation, a home [integration] — and so are different from concepts that refer to things such as lawn-mowers, bushes, fire hydrants, etc., which lie outside a human habitation, and also from things such as heavy machines, which normally lie inside buildings that are not human habitations [differentiation].
  • They all refer to things that are movable [integration] — and so different from things such as walls, doors, stairways, fireplaces and the like, which are fixed architectural features of the house [differentiation].
  • They all refer to things that can be used, for instance, to support the human body or to support and/or store smaller objects [integration] — and so different from things such as kitchen utensils, pictures, ornamental objects, books, records, ashtrays, etc. [differentiation].

As a result of this process of integration and differentiation, an individual may form the concept of furniture.

The reason why these concepts (of table, chair, bed, cabinet, etc.) can be compared and eventually integrated into a new concept is that they have what Rand calls a “Conceptual Common Denominator” (CCD), a commensurable characteristic [4]. A CCD is not something arbitrary: one would not be able to form a new concept if one chose to select tables and red objects, since they have no commensurable characteristic [5].

It is important to observe that, for Rand, the new concept — the concept of furniture — is more extensive than the concept of table and represents a wider integration.

That it is more extensive seems obvious, since it designates not only tables but also chairs, beds, cabinets, etc.

That it represents a wider integration also seems clear, since it incorporates the concept of table and other related concepts into a new concept. The new concept (that of furniture) allows the concepts subsumed under it to be treated as “units”, that is, as members of a group (or class) [6].

In the case of the concepts of table, chair, bed, cabinet, etc., since they are all first-level concepts, their meaning can be conveyed ostensibly, that is, by pointing to perceptual concretes that are designated by them. The concept of furniture, however, being a higher-level concept, or an abstraction of abstractions, is further removed from reality than any of the abstractions subsumed under it.

Rand claims that, because the concept of furniture “is an abstraction one step further removed from perceptual reality than any of its constituent concepts” (p.22), “there is no such perceptual object as ‘furniture’; there are only tables, chairs, beds, etc.” (p.22). According to her, therefore, there is no way that the meaning of the concept of furniture can be conveyed ostensibly, by pointing to perceptual concretes. It designates other concepts, not perceptual concretes, and you cannot literally point to a concept.

I will come back to this, after I discuss the next two topics.

3. More Intensive Knowledge: More Precise Differentiations

Once an individual has formed the concept of table he may also notice that the objects identified by it have certain differences. For example, there are dining tables, coffee tables, end tables, “office tables” (desks), etc.

What is happening here, according to Rand, is “the process of subdividing the concept ‘table'” (p.23). The concept of table is differentiated in terms of function and size (“coffee tables are lower and smaller than dining tables; end tables are higher than coffee tables, but lower than dining tables, etc. . . ., a ‘desk’ is a table that has drawers for storing stationery supplies” [p.23]) and new integrations are made. As a result of this process of differentiation and integration, the individual forms the concepts of dining table, coffee table, end table, desk, etc. The (CCD) among these concepts seems to be size. They are all commensurable in regard to size.

It is important to observe that, for Rand, the new concepts are more intensive than the concept of table and represent a more precise differentiation.

That the new concepts are more intensive seems clear, since they, while preserving all the characteristics of the original concept, have characteristic(s) added to them (p.24).

That the new concepts are more precise also seems clear, since they narrow the range of measurements in relation to the range that prevailed in the case of the concept of table (p.24).

I did not find any explicit discussion of what I am now going to say. It could be inferred, from the title of the chapter and from the context, that Rand considers the concepts of dining table, coffee table, end table, desk, etc. as abstractions from abstractions, as concepts formed from the original concept of table by a process of subdivision. However, the abstractions, in this case, do not seem further removed from reality than the original concept, since the meaning of the new concepts apparently can be conveyed ostensibly, that is, by pointing to perceptual concretes that are designated by them. How is one to handle this problem?

I think that Rand would say, coherently with what she said regarding the concept of furniture, that the concepts of dining table, etc. presuppose the concept of table and so cannot be understood apart from it. Consequently, she would have to say that the meaning of the concept of dining table (for instance) cannot be conveyed ostensibly, by pointing to perceptual concretes, since it presupposes the concept of table, and, consequently, that there is no perceptual object as “dining table”: there are only tables (see p.22).

I did not find any place where Rand explicitly says this, and so I am conjecturing here. But I will come back to this issue, after I discuss the next topic.

4. Psychological and Logical Processes

Although in the last two sections I have used the expression “Once an individual has formed the concept(s) of …”, thereby giving the impression that there is a necessary chronological order in which individuals form concepts, the impression is erroneous. According to Rand, individuals can form concepts in any order, beginning with the less abstract and moving to the more abstract, or vice-versa, or, still, beginning somewhere in the middle and going in both directions. So, there is not, from a psychological point of view, any necessity why an individual would have to form, first, the concept of table, and then go up, so to say, to the concept of furniture, and go down, so to speak, to the concepts of dining table, coffee table, etc.

Rand has no doubt, however, that, from a logical point of view, concepts are hierarchically structured and that it does make a great difference where we place a concept in the hierarchy.

Leonard Peikoff in some places does give the impression that there is a necessary order even to the process of concept-formation. When he discusses the concept of culture he says: “Like every concept, ‘culture’ is an integration of concretes — in this instance, of certain human products and actions. But the point is that, in this kind of case, the concept cannot be reached directly from its concretes. It presupposes that they have been conceptualized earlier, usually in several stages, on increasing levels of abstraction. A definite order of concept-formation is necessary. We begin with those abstractions that are closest to the perceptually given and move gradually away from them” [7]. Peikoff refines his position two pages later, when he speaks of “cognitive options”, but even there his position is that “a higher-level item is dependent on the grasp of a series of earlier items”. The “cognitive option” lies in the fact that the series does not have to be the same for everyone [8].

Rand, however, does seem to be more flexible with respect to the order of forming concepts. In answer to the question “might a person form the concept of ‘furniture’ without having formed the concept of ‘table’ before?” she says “In a sense, yes. . . . In a loose way, that can be done, but only up to a certain level” (pp.204-205). However, she denies (as we will see) that the concept of furniture can be formed “directly from the perceptual level” (p.215).

In an important passage, Rand explains: “Even if chronologically you may learn those concepts [birds, eagles, penguins, hummingbirds] in different orders, ultimately when you organize your concepts to determine which are basic-level concepts and which are derivative (in both directions, wider integration or narrower subdivision), the test will be: which objects you perceive directly in reality and can point to, and which you have to differentiate by means of other concepts” (p.205).

So Rand does admit that one does not need to form the concept of bird (which she regards as a first-level concept) before one forms the concept of eagle, penguin, hummingbird, etc. Peikoff does seem to be more strict. He allows that the series of concretes through which one learns one concept does not have to be identical for everyone. He says, in a passage already quoted: “A definite order of concept formation is necessary. We begin with those abstractions that are closest to the perceptually given and move gradually away from them” [9].

I will add, here, that I see no reason, in Rand’s arguments, why one could not develop a pedagogical theory, based on well researched empirical data, to show that an individual learns better if he learns, let us say, “top-down”, or, conceivably, “bottom-up”, or, still, if he learns first-level concepts first and then proceeds, by integration and differentiation, to learn more extensive and more intensive concepts. I don’t see Rand committing herself, in terms of theory of learning, to any of these possibilities nor a priori excluding any. But this is another problem, that deals with more deductive or more inductive approaches to learning.

5. The Importance of First-Level Concepts

The preceding discussion does leave one with the impression that Rand regards first-level concepts as quite important and, in a sense, more basic and fundamental than higher-level concepts. And this impression is quite correct.

The reason why first-level concepts are important in Rand’s epistemology is that they allow, in Rand’s view, that all our concepts, including the more abstract ones, and all our propositional knowledge, be anchored in reality.

This is the root of Rand’s empiricism.

If our higher-level concepts are formed from first-level concepts, through wider integrations and more precise differentiations, they will be anchored in reality, since first-level concepts refer to perceptual concretes. If we can reconstruct the logical process by which our concepts are linked to first-level concepts, we will have found their “roots” and will have shown that knowledge is empirical and objective. Objectivism’s objectivity is to a large extent tied to this issue.

Here is how Peikoff puts the issue: “Reduction is the means of connecting an advanced knowledge to reality by traveling backward through the hierarchical structure involved, i.e., in the reverse order of that required to reach the knowledge. ‘Reduction’ is the process of identifying in the logical sequence the intermediate steps that relate a cognitive item to perceptual data. Since there are options in the detail of a learning process, one need not always retrace the steps one initially happened to take. What one must retrace is the essential logical structure” [10].

According to Peikoff, this retracing is what makes objectivity possible: it is, therefore, a requirement of objectivity. “Man’s only direct contact with reality is the data of sense. These, therefore, are the standard of objectivity, to which all other cognitive material must be brought back” [11].

The notion of proof is also tied to this issue. Says Peikoff: “‘Proof’ is the process of establishing truth by reducing a proposition to axioms, i.e., ultimately, to sensory evidence. Such reduction is the only means man has of discovering the relationship between non-axiomatic propositions and the facts of reality” [12].

It is possible to somehow move to higher levels of cognition without forming the intermediate concepts. “The most common cause [for this] is intellectual dependence; many men are content to take over the concepts and conclusions of other people without understanding the steps that led to them” [13]. When this happens, the higher-level concepts have no logical link to perceptual reality, and the result is not knowledge, but confusion [14].

6. Is the Concept of Table a First-Level Concept?

I am going to grant, for the sake of the argument, the claim that there are first-level concepts, i.e., concepts the meaning of which can be conveyed ostensibly by pointing to the perceptual concretes that they identify.

If this is granted, is it possible to contest Rand’s claim that the concept of table is a first-level concept? Is it possible to question that, when one is trying to convey the meaning of the concept of table, one can do so ostensibly, pointing to objects?

The answer, at first sight, seems to be yes.

One the one hand, one could argue that the concept of table is an abstraction from abstractions, formed by a wider integration of the concepts of dining table, coffee table, end table, desk, etc.. The concept of table, in this case, would be further removed from reality than any of the abstractions subsumed under it, and the only concepts the meaning of which could be conveyed by pointing to perceptual concretes would be the concepts of dining table, etc. The concept of table, if this suggestion should be tenable, would be in a position similar to that in which Rand places the concept of furniture.

What is the problem with this suggestion? The main problem is that it is difficult to imagine how, by pointing (for instance) to dining tables, one could form the right concept, if one does not already have the concept of table. After all, a dining table is a table. If this is so, Rand will have to say that the meaning of the concept of dining table (for instance) cannot be conveyed ostensibly, by pointing to perceptual concretes, since it presupposes the concept of table, and, consequently, that there is no perceptual object as “dining table”: there are only tables.

The concept of table, then, does seem more basic than the concept of dining table, coffee table, etc., since it is presupposed by these concepts. Let us admit, then, that the concept of table is more basic than the concepts subsumed under it, and, therefore, possibly first-level.

On the other hand, one could argue that the meaning of the concept of furniture can be conveyed ostensibly, by pointing to perceptual concretes, such as tables, chairs, beds, cabinets, etc. and so claim that IT is first-level. The concept of table, in this case, would not be first-level, being a subdivision of the concept of furniture.

Rand firmly denies that this argument is tenable. Here is what she says, during a discussion of her epistemology, in response to the suggestion that someone could form the concept of furniture, defined as “movable man-made objects within a human habitation”, “directly from the perceptual level”: “Oh, that he couldn’t do. That I can say with assurance. Because he couldn’t arrive at that kind of definition while by-passing the identification of the objects he means. He could conceivably memorize the definition if he’s heard it, but he couldn’t form it himself” (p.215). The person who asked the question insists, asking why that is so, and Rand explains: “To separate furniture from architectural features is a much more complex issue of observations and requires a certain subtlety, which is why I say it is not likely [sic] — if a man has that much subtlety, he would certainly not fail to observe the differences between tables and chairs” (p.215).

In the first passage Rand asserts that it cannot be done. In the second, she says that it is not likely that it will be done. Perhaps the difference can be explained by the fact that this was an extemporaneous discussion and one is not as precise when one is speaking as when one is writing. But perhaps there is here a hint of the difficulties involved. Despite the difficulties, I do think that Rand’s claim that the concept of table is a first-level concept is certainly plausible. I have used until now only one of Rand’s favorite examples, the concept of table. It is time to go into the other example, the concept of man.

7. Is the Concept of Man a First-Level Concept?

Whatever the difficulties that there may be in deciding whether the concept of table is a first-level concept, they are greatly increased when one comes to discuss the concept of man.

In the same way that we started the previous discussing on the assumption that a person has already formed the concept of table through the process discussed in Chapter 2 of ITOE, here we are going to assume that the person has already formed the concept of man in the same way.

Starting from the concept of man, one can, as in the previous case, move toward more extensive knowledge or wider integrations OR toward more intensive knowledge or more precise differentiations.

The first path (the direction of more extensive knowledge or wider integrations) will bring one, progressively, to the concepts of animal, organism, etc. [15].

The second path (the direction of more intensive knowledge or more precise differentiations) will bring one to several clusters of concepts, depending on the criteria utilized to make the subdivision. If one takes sex (or gender) as the criterion, one will arrive at the concepts of (male) man and woman. If one chooses to take color as the criterion, one could arrive at the concepts of white man, black man, brown man, red man, yellow man. (One always can, of course, deny that color is a relevant or essential criterion to form new concepts, and that the distinctions in question can be easily accounted for descriptively, without need of new concepts). If one chooses criteria that are not physical, but cultural, one could divide the concept of man into the concepts of unmarried man, married man, divorced man, widowed man, etc. There do not seem to be limits to the subdivisions one can make.

The question that can be asked is whether Rand views the concept of man as a first-level concept, as a concept that rests at the same level as the concept of table.

The answer, for Rand, is definitely yes. Peikoff in several places explicitly states that the concept of man is a first-level concept. Here is what he says: “Only when the child has first conceptualized separately the various perceptually given entities is he capable of the more extensive acts of abstraction and integration that identify their common denominators. These latter are not available at the perceptual level, because only concretes exist: there are no such things as ‘organisms’ to be seen — there are only men, dogs, roses. Similarly a child cannot identify distinctions among men — he cannot grasp types of men, such as doctor or teacher — until he has first grasped and conceptualized man” [16].

Notes

[1] Rand prefers to say the concept “table” instead of the concept of table. I will use quotation marks only when I refer to the term “table”. Cf. Leonard Peikoff’s summary of Rand’s discussion of the concept of table in Objectivism: The Philosophy of Ayn Rand (Dutton, New York, 1991), pp.83ff.

[2] Peikoff defines a first-level concept as follows: “A first-level concept is one formed directly from perceptual data, without the need of prior conceptualization” (op.cit., p.129). Rand argues that there are first-level concepts “epistemologically, not metaphysically” (p.214). Peikoff explains what this means. “Knowledge has a hierarchical structure. . . . A hierarchy of knowledge means a body of concepts and conclusions ranked in order of logical dependence, one upon another, according to each item’s distance from the base of the structure. The base is the perceptual data with which cognition begins. The concept of ‘hierarchy’ in this sense is epistemological, not metaphysical. In reality, facts are simultaneous. … facts themselves exist eternally. But an order of logical dependence among them exists from man’s perspective, because man cannot come to know all facts with the same directness” (op.cit., p.131).

[3] Cf. Peikoff, op.cit., p.129.

[4] Rand sees the CCD of the concept of furniture as being “large objects inside a human habitation”. Here is what she says: “The distinguishing characteristic of the new concept [the concept of furniture] is determined by the nature of the objects from which its constituent units are being differentiated, i.e., by their ‘Conceptual Common Denominator’, which, in this case, is: large objects inside a human habitation” (p.22). Peikoff claims that the CCD that allows us to “differentiate tables from chairs or beds” is shape (op.cit., p.87; cf. p.84). A CCD is defined by Rand (in the Introduction to ITOE) as: “The characteristic(s) reducible to a unit of measurement, by means of which man differentiates two or more existents from other existents possessing it” (p.15). Cf. Peikoff, op.cit., p.87.

[5] Peikoff explains: “The reason is that the relationships required for concept formation are established quantitatively, by means of (implicit) measurements — and there is no unit of measurement common to table-shaped objects and red objects. The attributes of shape and color are incommensurable” (op.cit., p.87).

[6] Cf. Peikoff: “A higher-level abstraction, for example, condenses concepts themselves. Thus ‘furniture’ reduces to a single unit such first-level concepts as ‘chair’, ‘table’, and ‘bed'” (op.cit., p.108).

[7] Peikoff, op.cit., pp.129-130.

[8] Peikoff, op.cit., p.132.

[9] Peikoff, op.cit., p.130.

[10] Peikoff, op.cit., p.133.

[11] Peikoff, op.cit., p.133. Cf. also p. 120: “If logic is to be the means of objectivity, a logical conclusion must be derived from reality; it must be warranted by antecedent knowledge, which itself may rest on earlier knowledge, and so on back, until one reaches the self-evident, the data of sense. This kind of chain and nothing less is what Objectivism requires as ‘proof’ of an idea”. I may be wrong, but I think that the early Wittgenstein and the Logical Positivists might well endorse this statement, as it stands, in isolation.

[12] Peikoff, op.cit., p.120.

[13] Peikoff, op.cit., p.133.

[14] Cf. Peikoff, op.cit., pp.129ff, in a section where he discusses the hierarchical nature of knowledge, for a demonstration of how a very high-level concept, such as that of culture, is linked, through a process of reduction, to perceptual concretes.

[15] The issue is more complicated than it seems. Why move from the concept of man to the concept of animal, and not to the concept of primate, or to the concept of mammal? Rand discusses the issue but I have not found her arguments very convincing. Why not define man as a rational primate? Or, if one does not want to place man in the same class with other primates, at least, a rational mammal?

[16] Peikoff, op.cit., pp.91. Cf. p.135.

 © Copyright by Eduardo Chaves

Explanatory Note: In 1992, when I wrote this article, Leonard Peikoff’s book was almost the only secondary literature easily available here in Brazil in printed form. So his book was the only secondary literature used. Now there are many more books that can be used. I plan to write a revision of this paper making extensive use of the presently available secondary literature.

Transcribed here in this blog in Salto, SP, Brazil, 07/Jun/2016, almost 25 years after its original publication.

Ayn Rand: Romancista, Filósofa e Polemista

[Este é o primeiro capítulo, introdutório, de um livro sobre Ayn Rand que estou começando a por no papel (já existe na minha cabeça há tempos) e pode servir de base para as interações no Grupo de Discussão (acesso por convite) que criei no Facebook há poucos dias. Deixo indicado qual será o conteúdo dos capítulos seguintes (a partir do Capítulo II.]

Conteúdo

  1. Introdução [Este capítulo está abaixo, neste post]
  2. A Pessoa
  3. A Romancista
  4. A Filósofa
  5. A Polemista
  6. O Legado
    1. Nos Estados Unidos
    2. Na Rússia / União Soviética
    3. Global
    4. No Brasil
  7. Conclusão

I. Introdução

Travei conhecimento com as ideias de Ayn Rand em 1973, quando, a partir de Agosto, passei a trabalhar no Departamento de Filosofia do Pomona College, em Claremont, CA, na grande Los Angeles. Um colega de departamento meu, J. Charles King, também professor de Filosofia, responsável pelas disciplinas de Filosofia Política e Filosofia Social (eu ministrava Metafísica, Filosofia da Religião e Ética), me perguntou se eu já havia lido algum livro dela. Meio constrangido, eu, recém chegado ao departamento, e doutorado há apenas um ano (concluí meu Ph.D. em Filosofia pela University of Pittsburgh, em Agosto de 1972), respondi que não só não havia lido nada escrito por ela como nunca havia sequer ouvido falar nela dentro dos sacrossantos halls da Cathedral of Learning, em Pittsburgh. Por sugestão dele, ao final do almoço, fui até uma livraria, no centro de Claremont, e comprei Atlas Shrugged, que, segundo o Charles, era o livro mais importante dela. Apesar do tamanho intimidatório do livro (mais de mil páginas!), comecei a ler imediatamente e não consegui parar de ler. Na verdade, atravessei duas noites lendo até que cheguei ao fim. Nunca alguém havia me transmitido, ao recomendar a leitura de um livro, o senso de urgência que Charles fez sentir.

Minha sensação, ao terminar de ler o livro, foi de que minha vida nunca mais seria a mesma. A gente tem – alguns de nós, pelo menos, temos, e eu me incluo entre eles – uma certa impressão, num nível que eu chamaria de ainda pré-conceitual, de como devem ser as coisas, de como elas devem funcionar na realidade, e de como deve ser a vida humana, de como as pessoas devem se relacionar umas com as outras em sociedade. É isso que faz com que crianças relativamente pequenas tenham uma certa impressão muito definida acerca do que é, e do que não é, justo, ou “fair” (justificado pelas regras do jogo). Minha filha mais velha, Andrea, que tinha três ou quatro meses quando li Atlas Shrugged pela primeira vez, sempre retorquia, desde seus três ou quatro anos, “That isn’t fair”, quando era obrigada a interromper  alguma atividade de que gostava para fazer algo necessário mas não tão agradável… A impressão que ela tinha da vida era que não era justo que, bem na hora em que a gente está feliz, fazendo algo de que gosta, alguém viesse nos interromper para que fizesse algo desagradável, ainda que importante ou necessário.

É essa impressão que nos permite dizer, muito antes de entendermos, conceitualmente, o que é justiça ou o que é “fairness”, que determinado curso de ação não é justo, “isn’t fair”… Ayn Rand foi a primeira pessoa capaz de, sem nunca me ter visto, conceituar e verbalizar aquilo que, em mim, era, até ali, apenas uma impressão pré-conceitual da realidade, em geral, e da vida, em particular. Ela colocou em palavras aquilo que eu apenas sentia: meu sentido do que era certo e justo na vida, meu sentido do que eu devia fazer e deixar de fazer na vida, meu sentido do que fazia a vida valer a pena… Ela explicitou aquilo que, como vim a descobrir depois, ela mesma chamava de “my sense of life. (Não confundir “sense of life” com “meaning of life”). Uma vez que a gente veja essa impressão da gente conceituada e verbalizada, é possível refletir sobre ela, identificar pontos positivos, que precisam ser conservados, pontos negativos, que precisam ser rejeitados, e pontos que precisam ser aperfeiçoados. Foi por isso que eu disse que, depois de ler o primeiro livro de Ayn Rand, minha vida nunca mais foi a mesma. Ali me identifiquei claramente, em filosofia, como um realista, empirista, racionalista, objetivista – sendo plenamente capaz de definir esses conceitos e de entender porque eles poderiam integrar a uma visão coerente e convincente do mundo e do papel de nossa vida no mundo.

Na universidade havia aprendido que empirismo e racionalismo eram termos que representavam escolas filosóficas conflitantes, incompatíveis… Mas eu tinha uma inclinação favorável às duas… Foi uma grata surpresa, e um grande alívio, descobrir que eu podia defender as duas coisas, sem contradição. Em casa, na igreja, no Seminário, havia aprendido que, segundo o Cristianismo, devemos amar o próximo como a nós mesmos. Esse comando parece reconhecer que o amor a nós mesmos e o nosso auto interesse são posturas legítimas. No entanto, a ética altruísta de Kant, que acabou substituindo o comando do Evangelho, como se fosse a única interpretação possível dele, preconizava que deveríamos colocar o dever para com o outro sempre antes e acima do nosso dever para com nós mesmos. No extremo, sugeria Kant, se uma pessoa que eu amo e uma pessoa que eu detesto estão igualmente em perigo, meu dever moral seria salvar a pessoa que detesto, porque estaria fazendo isso por dever (não por afeição), pois as ações que fazemos porque fazê-las nos faz bem e nos torna felizes, não têm mérito moral, pois são meros atos egoístas… Isso me parecia “unfair”, e Ayn Rand me mostrou que realmente era um contrassenso… Mostrou que o egoísmo é, na verdade, uma virtude, não um vício, e que o mais alto dever que temos é com nós mesmos, posto que a nossa vida é, para nós, nosso bem mais elevado.

Em 1974 voltei para o Brasil para ser professor de filosofia na UNICAMP. Inicialmente deveria ir para o Departamento de Filosofia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), onde trabalhava o Rubem Alves, mas acabei ficando, de início meio contra a vontade,  no recém criado Departamento de Filosofia e História da Educação (DEFHE) da Faculdade de Educação (FE), que só tinha um outro doutor, o meu amigo Newton Aquiles von Zuben, que, contudo, tinha formação em filosofia na linha fenomenológica (predominante na Europa Continental), enquanto eu tinha tido minha formação em filosofia na linha analítica (predominante nos países de fala inglesa). Acabei ficando no DEFHE durante os trinta e dois anos e meio que passei na UNICAMP, até me aposentar, no início de 2007 – apesar de nunca ter estudado educação ou pedagogia formalmente na vida – nem mesmo filosofia da educação.

Na UNICAMP, ninguém conhecia Ayn Rand – nem no IFCH, nem na FE. Boa parte dos professores do IFCH e da FE seguia uma orientação marxista em seu trabalho, não só em filosofia, como em história e sociologia da educação. Como o tempo era ainda de ditadura militar, embora o ditador na época em que cheguei na UNICAMP fosse luterano, o marxismo era velado ou disfarçado, nunca aberto e declarado.

Convenci-me, muito cedo, de que, além de me especializar rapidamente em filosofia da educação, precisava me especializar também em filosofia política, e tentar, no processo, alinhavar uma filosofia liberal da educação – ou uma filosofia da educação liberal. Ayn Rand me foi de valor inestimável nesse processo. Investi fundo no estudo de sua obra, comprando tudo que achei que fosse escrito por ela ou sobre ela (a favor ou contra).

No segunda metade da década de 1990, depois de a Internet ter chegado ao Brasil, e de ter sido mantida nas mãos da iniciativa privada, e não da Telebrás, graças ao grande Sérgio Motta, Ministro das Comunicações (e amigo pessoal) de Fernando Henrique Cardoso, criei vários sites, um pessoal, outro de Educação e Tecnologia, e outro sobre Ayn Rand. Conforme vim a descobrir depois, foi o primeiro site criado sobre Ayn Rand em língua portuguesa. Comprei junto à FAPESP (hoje quem vende é o REGISTRO.BR) o domínio aynrand.com.br para hospedar o meu site sobre Ayn Rand. Hospedei-o num site americano (do qual sou cliente até hoje), chamado “MyDomain.Com”.

Através do site vim a encontrar (virtualmente) várias pessoas interessadas em Ayn Rand aqui no Brasil, comecei a me relacionar com o Instituto Liberal de São Paulo (ILSP), convivi algum tempo com Henry Maksoud, que tinha um programa de orientação liberal na TV Bandeirantes, chamado Henry Maksoud e Você, que batalhou para que a Constituição de 1988 fosse “menos cidadã” e menos protetora dos chamados direitos sociais, e mais protetora dos direitos individuais defendidos pelos liberais clássicos. O site me ajudou a participar dessa batalha.

Vários motivos me levaram a tirar o site do ar depois que me aposentei da UNICAMP, em 2007. A principal delas foi a mudança para um outro site provedor de acesso à Internet e hospedeiro de domínios, fato que me obrigaria a reconstruir todos os meus sites em ambiente diferente. Na época era Secretário Adjunto de Ensino Superior do Estado de São Paulo, estava assumindo a Presidência do Instituto Lumiar, e, assim, preferi deixar todos os meus sites fora do ar até que pudesse revê-los. Só mantive no ar o meu blog Liberal Space, que havia criado em Dezembro de 2004 num site mantido pela Microsoft, e que depois a Microsoft transferiu para a empresa Automattic, que mantém os blogs WordPress. (Hoje, segundo consta, 26% dos sites da Internet são “motorizados” pela WordPress.)

Hoje estou ressuscitando, em três ambientes diferentes, o material sobre Ayn Rand que eu tinha no site original. Os ambientes são um blog (operado, naturalmente, pela WordPress), um site (na forma de uma “fan page” no Facebook), e um grupo de discussão (também hospedado no Facebook).

Espero que esse último ambiente – o grupo de discussão – sirva para que tenhamos, nós, os interessados em Ayn Rand hoje em dia, a possibilidade de estudar e discutir realizados de forma mais sistemática (algo que eu fazia de forma precária, anteriormente, com um grupo de discussão criado no Yahoo!. Espero que este texto possa servir de base para alimentar esse estudo e essa discussão.

A obra de Ayn Rand pode ser estudada e discutida a partir de três enfoques:

  • como romancista ou autora de obras de ficção
  • como filósofa ou autora de textos filosóficos
  • como polemista ou palestrante e autora de textos polêmicos que debateram as grandes questões do dia.

Como autora de obras de ficção Ayn Rand escreveu quatro romances, algumas peças de teatro e pelo menos um conto. Foi essa a obra que a projetou nacionalmente e acabou por torna-la mundialmente conhecida.

Como autora de textos filosóficos, que até bem pouco tempo eram solenemente ignorados nos meios acadêmicos. Sua obra filosófica consiste de alguns livros, de coletâneas de artigos, e de escritos em três newsletters, nos quais apresentou e defendeu sua filosofia.

Como autora de textos polêmicos, ou de debate, ela escreveu inúmeros artigos em jornais e revistas, bem como deu inúmeras palestras e entrevistas, sempre engajada na defesa do individualismo e do liberalismo clássico, das liberdades e dos direitos individuais e dos Estados dos Founding Fathers (Pais Fundadores) e na crítica dos coletivismos, em especial do socialismo marxista e da Rússia / União Soviética marxista.

A pessoa de Ayn Rand (em contraposição à sua obra) tem gerado enorme interesse também, tendo sido objeto de livros, documentários e filmes. Pessoa “opinionada”, e de opiniões extremamente controvertidas, Ayn Rand se tornou, em vida e depois, objeto, de um lado, de verdadeira veneração e devoção “cultista”, quase religiosa, e, de outro lado, de agressiva crítica e contestação. Não tenho dúvida de que Ayn Rand foi um gênio – tanto na área literária como na área filosófica. Contudo, ao mesmo tempo que fazia sucesso com o público leitor e com alunos universitários, era solenemente ignorada pelos críticos literários e pelos filósofos acadêmicos. Isso felizmente está mudando atualmente.

O legado de Ayn Rand, nos Estados Unidos e no mundo afora, inclusive no Brasil, é assim debatido. Ela morreu em 1982 – vai fazer 35 anos no ano que vem (2017). Já era hora de se alcançar algum consenso. Mas esse consenso parece estar longe.

Na vida de Ayn Rand, a escritora de ficção veio antes, e a polemista depois, da filósofa. Vou manter essa ordem aqui, na Introdução (Capítulo I) e nos demais capítulos. Aqui na Introdução, no que segue, falarei, introdutoriamente, sobre Ayn Rand a romancista, a filósofa e a polemista. Em três capítulos subsequentes (III-V), discutirei novamente essas questões, com maior abrangência e profundidade. Não discutirei, aqui na Introdução, a pessoa e o legado de Ayn Rand. Isso será feito apenas nos demais capítulos (a pessoa, no capítulo II, e o legado, no capítulo VI). O texto terminará, no Capítulo VII, com a tentativa de chegar a alguma avaliação sensata sobre a importância da vida e da obra de Ayn Rand na história da literatura, da filosofia e dos embates políticos do século XX.

1. A Romancista

Quanto à autora de ficção, Ayn Rand nos assegura que, quando tinha cerca de nove ou dez anos, já havia decidido que seria ser escritora. Adorava a literatura e o cinema (que, neste caso, ainda mudo, começava a se popularizar quando ela era uma adolescente a caminho da juventude, em sua cidade natal de São Petersburgo). Ela nunca abandonou sua determinação de ser escritora. Na verdade, a determinação se tornou uma verdadeira obsessão.

Enquanto ainda em São Petersburgo, concentrou seus estudos nas áreas de filosofia, psicologia e história, que facilitariam sobremaneira sua capacidade de criar personagens heróicos e enredos fantásticos, épicos mesmo, mas totalmente críveis, realistas no sentido de que não eram pessoas e sequências de acontecimentos totalmente implausíveis, embora em regra fossem raras.

Nascida em 1905, Alyssa Zinovievna Rosenbaum era filha de judeus russos que haviam prosperado (talvez até mesmo enriquecido, no contexto do país) através do comércio, e sua família conheceu o sucesso, a prosperidade, e até mesmo a riqueza relativa. Mas ela viu tudo isso ser destruído a partir da Revolução Comunista de 1917, quando entrava na adolescência (tinha doze anos em 1917). Nove anos depois, em 1926, quanto alcançou a maioridade de 21 anos, em 1926, saiu do país, em decisão pessoal e solitária – sozinha, sem os pais, sem os irmãos. Conseguiu visto americano para visitar parentes seus que viviam em Chicago, nos Estados Unidos, e com alguma dificuldade obteve o salvo conduto que lhe permitia deixar a Rússia e o passaporte que a autorizava a viajar para o exterior. Foi para Chicago, via Londres. Nunca mais colocou os pés na Rússia, nem viu seus pais e seus irmãos (exceto no caso de uma irmã que veio visita-la nos Estados Unidos, quando ela já era uma escritora famosa – mas acabaram se desentendendo).

Em Chicago sua obsessão era aprender a língua, ver filmes americanos no cinema, e praticar sua redação – em Inglês – numa máquina de escrever Remington Rand, que acabou por lhe sugerir parte de seu nom de plume.

Ayn Rand não ficou muito tempo em Chicago – na época dominada por Al Capone. Queria estar perto do mundo do cinema, que ela amava. Achou um jeito de se mudar para a região de Los Angeles, onde passou a residir, inicialmente, não longe dos famosos estúdios de cinema.

Rapidamente dominou a língua inglesa de modo a ouvir e entender, sem problemas, e escrever razoavelmente bem – cada vez melhor. O Inglês falado também melhorou muito, mas até o final de sua vida ela nunca perdeu o sotaque forte causado pelo russo (que, é bom que se diga, deixou de falar totalmente). Sua voz era gutural, não muito agradável.

O mais importante era o aperfeiçoamento da redação. Ela fez isso revisando roteiros para o cinema, em Hollywood, trabalhando para os estúdios do grande Cecil B. de Mille, que ficou impressionado com a determinação da moça de vinte e poucos anos. Ela chegou até a fazer uma ponta em The King of Kings (O Rei dos Reis), obra talvez mais famosa do grande diretor.

Dado seu interesse pelo indivíduo heroico e os horrores que sua família sofreu nas mãos do estado comunista, todos os escritos de ficção que Ayn Rand escreveu lidam com temas como a defesa indivíduo frente à sociedade e o estado, o combate aos coletivismos, a crítica aos socialismos e ao comunismo. Embora admirasse muito os Estados Unidos dos Founding Fathers (Pais Fundadores), e os Estados Unidos potência industrial emergente ao longo do século XIX, Ayn Rand não gostava do que ela viu nos Estados Unidos durante o New Deal (Novo Pacto) de Franklin Delano Roosevelt e depois da Segunda Guerra Mundial.

Escreveu quatro romances – dos quais os dois últimos foram os mais importantes e se tornaram notáveis bestsellers. São eles, pela ordem: Anthem (Hino), de 1933, We, the Living (Nós os Vivos), de 1938, The Fountainhead (A Nascente), de 1943, e Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas), de 1957. Todos os seus livros, com exceção do primeiro, se tornaram filmes ou séries, aparecendo nesse formato na mesma ordem em que foram publicados.

2. A Filósofa

Foi descrevendo os dilemas que as pessoas confrontam e as interações e os conflitos que são obrigadas a enfrentar para poder viver a vida que desejam viver que Ayn Rand forjou sua filosofia. A sua é uma filosofia muito mais antiga do que moderna, muito mais ancorada na Grécia Clássica de Aristóteles do que na Modernidade Europeia representada pela filosofia analítica de Bertrand Russell, G. E. Moore e Ludwig Wittengentein, ou pela Fenomenologia de Edmund Husserl, ou ainda pelo Existencialismo de Martin Heidegger e Jean-Paul Sartre (este, como Rand, filósofo, romancista e teatrólogo – mas com visões de mundo, sentido de vida e mindset totalmente diferentes).

A filosofia de Ayn Rand é uma filosofia de vida, na verdade “uma filosofia para viver aqui na Terra”, embora ela não dispense, muito pelo contrário, aperfeiçoe, os alicerces metafísicos, epistemológicos, éticos, políticos e estéticos da filosofia de Aristóteles, alicerces esses que foram em grande parte abandonados pela filosofia moderna, tanto a empirista (anglo-saxônica) como a racionalista-idealista (no parte continental da Europa). A exceção, em termos, é a filosofia católica de vertente tomista, visto que Tomás de Aquino era admirador e seguidor de Aristóteles também.

Diferentemente de outros filósofos modernos e atuais, Ayn Rand sempre defendeu, na área de Metafísica e Epistemologia, a tese de que não há a menor dúvida de que existe uma realidade fora de nós (realismo), que nós podemos conhecê-la (contra o que dizem os céticos), com base em nosso mecanismo perceptual (empirismo) e na integração de nossas percepções através de nossa razão (racionalismo), e, por fim, que o conhecimento assim obtido e processado é objetivo (objetivismo) e, em certo sentido, absoluto (absolutismo epistemológico), e não subjetivo (subjetivismo) e relativo (relativism0). É bom que se diga que, embora nessa área Ayn Rand tivesse de combater os filósofos modernos, ela estava claramente do lado do senso comum, como a maioria das pessoas que não são filósofas profissionais.

Por causa de seu posicionamento firme na área de Metafísica e Epistemologia, Ayn Rand optou por chamar sua filosofia de Objetivismo (em vez de, digamos, Empirismo Racional, ou Racionalismo Empirista, ou coisa semelhante).

Na área da Ética e da Política, Ayn Rand é defensora incondicional do individualismo, da liberdade, dos direitos individuais, da ação pautada pelo auto interesse racional, e do egoísmo, como princípio moral. E é a mais ardorosa e eficaz defensora do liberalismo clássico no século 20. Nem Ludwig von Mises, nem Friedrich von Hayek, nem Milton Friedman, os dois últimos Prêmios Nobel em Economia, lhe chegaram aos pés em termos de promoção, na prática, dos ideias do liberalismo clássico na política e na economia – na economia política – do século XX.

Ayn Rand combateu, incansavelmente, ao longo do século XX, todas as formas de esquerdismo, todas as esquerdopatias, defendendo, com unhas e dentes, o Estado Mínimo e combatendo os socialismos, em especial o de inspiração marxista. Combateu, acima de tudo, o Comunismo. Ronald Reagan e Margareth Thatcher foram seus leitores e admiradores. Não é à toa que eles receberam crédito pelo esmoronamento do Comunismo no final da década de 1980 e começo da década de 1990 – e, em parte, repassaram esse crédito a ela. Os intelectuais de esquerda e a mídia nunca reconheceram isso. Na verdade, não reconhecem nem mesmo o papel de Reagan e Thatcher, a quem em geral odeiam, como odeiam a Ayn Rand.

Na área da Estética, em especial da estética aplicada à literatura, Ayn Rand defendeu o que eu chamaria de (não vi ninguém mais rotular sua posição assim) “Realismo Heroico”. Seu realismo não é o realismo de “a vida como ela é”. A vida como ela é, descrita, por exemplo, na obra de Nelson Rodrigues, é repugnante à maioria das pessoas – e o seria especialmente a Ayn Rand, se ela a conhecesse. A literatura supostamente realista que foca o pior de que o ser humano é capaz – os criminosos, os ladrões, os corruptos, os viciados – não é a literatura que maioria das pessoas admira. Ayn Rand a detestava. A maioria das pessoas gosta de ler, e ver no cinema, histórias em que seres humanos vão além do que parecia ser possível alcançar, revestem-se de características heroicas que, de certo modo, caracterizam perfis ideais. Ninguém quer ler um livro ou ver um filme sobre os seus vizinhos do lado, sobre a gentinha invejosa e maledicente que encontra no trabalho, sobre as baixarias que acontecem quando as pessoas suspendem a ação de seu superego, com seus princípios e normas morais, e libera o seu id, deixando livres os seus piores instintos, “metendo o pé na jaca”, por assim dizer. Ayn Rand considera o seu sentido da vida e a sua visão do mundo realistas não porque muitas pessoas os adotem ou instanciem, mas porque eles são possíveis e é esse sentido de mundo e essa visão de mundo que deveríamos tentar viver e concretizar na sociedade. Na visão de Ayn Rand, insatisfeito com a realidade que ele encontra, o escritor de ficção deve recriar a realidade de acordo com seus valores, com sua visão de mundo (que nada mais são do que seu “sense of life” conceituado e verbalizad0).

Por incrível que possa parecer, o liberal Mário Vargas Llosa, Prêmio Nobel da Literatura de 2010, peruano que perdeu por muito pouco a eleição para a presidência de seu país para Alberto Fujimori, este, depois de eleito, apeado do poder por corrupção, e Ferreira Gullar, poeta e escritor de ficção patrício, ex-marxista, têm visões da estética literária, e acerca da arte, em geral, muito parecidas com a de Ayn Rand.

Depois de publicar Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas), em 1957, Ayn Rand não escreveu mais ficção: dedicou-se a trabalhar na sistematização de sua filosofia.

Depois que o Partido Democrata chegou ao poder com John Kennedy (1961) e, depois do assassinato de Kennedy, com Lyndon Johnson (1963), Ayn Rand, navegando no sucesso de seus romances, se tornou uma intelectual pública, debatendo as grandes questões nacionais. Escreveu em jornais, deu palestras em universidades e em qualquer lugar que a recebesse, participou como convidada nos principais programas de rádio e televisão do país. Uma de suas entrevistas mais famosas e longas foi dada à revista Playboy, em 1981. Dizem que pela primeira vez mais gente comprou a revista pela entrevista interna do que pela coelhinha da capa…

3. A Polemista

De certo modo era de esperar que Ayn Rand se tornasse uma polemista, uma defensora ferrenha do liberalismo clássico e dos Estados Unidos dos Founding Fathers (Pais Fundadores), e uma crítica contundente do socialismo marxista e da Rússia (depois União Soviética) comunista.

Depois do enorme sucesso de seus dois últimos romances, e depois de escrever várias obras de natureza filosófica e publicar coleções de artigos de natureza polêmica, criticando a esquerda americana (que lá se rotula liberal num sentido novilíngua do termo), Ayn Rand se engajou de corpo e alma no debate político americano.

 Apesar da crítica violenta que fez à esquerda aninhada no Partido Democrata, Ayn Rand não deixou de criticar também o conservadorismo do Partido Republicano, discordando até mesmo do Partido Libertário, que, aparentemente, teria tudo para ser tornar um fellow traveler (companheiro de viagem) dela.

o O o

Este capítulo introdutória para aqui. No capítulo seguinte irei apresentar uma sucinta biografia de Ayn Rand. Esta breve Introdução teve por objetivo simplesmente situa-la como escritora de ficção, filósofa e polemista.

Em Salto, 6 de Junho de 2016

Blog, Fan Page e Grupo de Discussão com o nome de “Ayn Rand Space”

[Transcrevo aqui um post que coloquei no Facebook hoje, 3/6/2016]

Visite e curta a nova “fan page” que criei em homenagem a Ayn Rand. Tem o título de “Ayn Rand Space”. Seu endereço é:

https://www.facebook.com/aynrandspace

Também criei, aqui no Facebook, um Grupo de Discussão sobre as ideias de Ayn Rand. Para manter o foco e fazer com que a discussão prossiga, a participação é por convite apenas. O Grupo de Discussão também se chama “Ayn Rand Space”. Se você tem interesse nas ideias de Ayn Rand, mande um e-mail para mim no endereço chaves@aynrand.space. O endereço do Grupo de Discussão é:

https://www.facebook.com/groups/aynrandspace

Por fim, comecei a ressuscitar ontem, na forma de blog  [este blog], o site que tive no final dos anos 1990 e início do século XXI, chamado (mais uma vez) “Ayn Rand Space”. Seu endereço é:

https://aynrand.space

O blog pode ser acessado também pelo velho endereço do site:

https://aynrand.com.br

Temos, portanto, três coisas novas sobre Ayn Rand no espaço virtual da Web e do Facebook, todas com o título “Ayn Rand Space” (mas com endereços diferentes):

* O Blog [Este blog]

* A Fan Page no Facebook

* O Grupo de Discussão Facebook

(É, eu sou meio obsessivo quando realmente decido fazer alguma coisa).

Travei conhecimento com as ideias de Ayn Rand em 1973, através de um colega meu, também professor no Pomona College, em Claremont, CA, chamado J. Charles King. Eu, recém-doutorado em Filosofia pela University of Pittsburgh, nunca havia ouvido falar dela dentro dos halls da Cathedral of Learning, em Pittsburgh. Por sugestão dele, comprei Atlas Shrugged (em Português, hoje, A Revolta de Atlas). Apesar de ter mais de mil páginas, não consegui parar de ler. Atravessei duas noites lendo.

No passado criei o primeiro site sobre Ayn Rand em Português. Várias mudanças me levaram a tirar o site do ar. Hoje estou ressuscitando esse material com o blog, o Grupo de Discussão, e esta fan page.

Seja bem-vindo ao mundo de Ayn Rand, que, diferentemente de outros filósofos modernos e atuais, acredita que não há dúvida de que existe uma realidade fora de nós (realismo), que nós podemos conhecê-la, com base em nosso mecanismo perceptual (empirismo) e na integração de nossas percepções através de nossa razão (racionalismo), e que o conhecimento assim obtido e processado é objetivo (objetivismo). Por causa disso, Ayn Rand optou por chamar sua filosofia de Objetivismo.

Ayn Rand também acredita que no individualismo, no auto interesse racional, e no egoísmo, como princípio moral. E, é a mais ardorosa defensora do liberalismo clássico do século 20. Combateu, ao longo do século 20, todas as formas de esquerdismo, defendendo o Estado Mínimo. Ronald Reagan e Margareth Thatcher foram seus leitores e admiradores.

Se você não conhecia Ayn Rand e esta introdução despertou o seu interesse, junte-se a outras pessoas que viram na filosofia de Ayn Rand a verbalização de um sentido da vida humana que muita gente sente antes de conseguir verbalizar.

Ayn Rand o ajudará fazer isso.

Se achou interessante, ou conhece alguém que possa achar interessante, por favor, compartilhe. Ficarei grato.

Eduardo Chaves
chaves@aynrand.space
Em Salto, SP, 3 de Junho de 2016

Ayn Rand’s Anti-Egalitarian First Novel Turns 80

This year marks the 80th anniversary of the publication of Ayn Rand’s first novel, We the Living. In her foreword to the novel, Rand explains that although the book is set in 1920s Soviet Russia, We the Living is not a historical novel: it “is a story about Dictatorship, any dictatorship, anywhere, at any time” and its goal is to show what “the rule of brute force does to men and how it destroys the best.”

With its focus on how dictatorships destroy “the best” individuals, We the Living is a quintessentially anti-egalitarian novel. Egalitarianism is the doctrine that human beings should be made equal in every important respect — including, notably, equal in economic outcome. At a time when egalitarian ideas are being peddled by leading politicians (Barack Obama, Bernie Sanders) and intellectuals (Paul Krugman, Thomas Piketty), Rand’s book remains as relevant as ever.

In We the Living, Andrei Taganov defends the communist system on the grounds that it will equalize society by lifting everyone up to the level of the best. But as my colleague Onkar Ghate explains in his contribution to Robert Mayhew’s excellent collection Essays on Ayn Rand’s “We the Living”, that is not what communism — and egalitarianism more broadly — achieves or is intended to achieve:

Rand, when analyzing the Left years later, commented that the goal of “equal prosperity” for all gave superficial plausibility to the ideology of collectivism. If Andrei’s error in being seduced by communism is an honest error, as the novel portrays it to be, then this superficial plausibility is a significant part of the explanation. But the fact remains that the egalitarianism at the heart of collectivism cannot, and is not meant to, lift people up. As Rand wrote more than thirty years after publishing We the Living, equality of results (as opposed to equality of individual rights before the law) could be achieved in only two ways: “either by raising all men to the mountaintop — or by razing the mountains.” The first method, however, is metaphysically impossible, since individuals have different attributes and abilities and make different choices. So the only actual meaning of a crusade for equality of results is a crusade to level society by pulverizing the mountains. Not surprisingly, therefore, this is what is portrayed in page after page of We the Living.

Today’s egalitarian critics of economic inequality are not generally advocates of dictatorship. Piketty, author of the 2014 blockbuster Capital in the Twenty-First Century, may have titled his book as an homage to Karl Marx, but he is not calling for a socialist revolution. He accepts the desirability of a “market economy,” but wants to “temper” unequal outcomes, mainly through tax policy: top marginal income tax rates as high as 80 percent, an annual wealth tax of up to 10 percent, and an inheritance tax of 80 percent.

But as Yaron Brook and I argue in Equal Is Unfair, although inequality critics like Piketty eschew the means advocated by their totalitarian forebears, they share the same goal: to bring down the successful.

Take Piketty’s tax proposals, for instance. Are these taxes to be used to help lift up those below the top? Not according to Piketty. In every case, Piketty acknowledges that “these very high brackets never yield much” in the way of tax revenues. That is not the point. The point, he says, is “to put an end to such incomes and large estates.”

What We the Living shows is the moral bankruptcy at the heart of all collectivist doctrines, whether the advocates seek to expand the regulatory-welfare state or to establish a full-fledged dictatorship. Collectivists are not champions of “the people” or “the poor”—but enemies of the best among men and the best in each man.

We the Living is first and foremost a captivating and deeply moving story. But it is also a novel of ideas: if you want to understand today’s debate, the book and its ideas are well worth grappling with.

Transcribed from
https://ari.aynrand.org/blog/2016/05/19/we-the-living-ayn-rands-anti-egalitarian-novel
in Salto, on June 2, 2016

Ayn Rand e a Revolta de Atlas (Atlas Shrugged)

[Artigo transcrito de meu blog Liberal Space, no URL
https://liberal.space/2016/06/01/ayn-rand-e-a-revolta-de-atlas-atlas-shrugged/%5D

Este artigo é uma compilação de três matérias (dois artigos e uma transcrição) publicadas anteriormente aqui neste blog. Para tentar fazer unidade coerente de matérias escritas em diferentes momentos e com distintas finalidades, precisei revisar, adaptar e atualizar as matérias – que podem ser lidas em suas versões originais nas notas ao final de cada seção. 

I. Introdução e Tema Geral (*)

A “Bíblia” do pensamento liberal clássico na segunda metade do Século 20 não foi um livro de economia ou mesmo de filosofia política: foi um romance de mais de mil páginas: Atlas Shrugged. Para quem não tem muita familiaridade com o Inglês, o título, no original, quer dizer “Atlas Deu de Ombros”, isto é, encolheu os ombros nos quais ele sustentava o mundo e deixou que o mundo se arrebentasse.

O livro foi escrito por Ayn Rand (1905-1981), romancista, filósofa e polemicista russo-americana, nascida na Rússia, em 1905, com o nome de Alyssa Zinovievna Rosenbaum. Ela emigrou para os Estados Unidos em 1926, quando tinha 21 anos. O livro, seu opus magnum, foi publicado originalmente nos Estados Unidos em 1957 (vai fazer 60 anos em 2017, o ano que vem). Por admissão dos próprios, o livro influenciou Ronald Reagan e Margareth Thatcher e, através deles, a história do Ocidente. Alan Greenspan, o todo-poderoso chefe do Federal Reserve Bank americano de 1987 a 2006, se incluía entre os discípulos de Ayn Rand.

Essa clássica defesa da liberdade do indivíduo, que na esfera econômica se conhece como capitalismo, ganhou em 2010 nova edição em Português, com título novo: A Revolta de Atlas, numa reedição da Editora Sextante, do Rio de Janeiro, com o apoio do Instituto Millenium. O novo título segue o título da edição espanhola, La Rebelión de Atlas. A edição brasileira anterior, publicada em 1987, e há muito esgotada, tinha o título de Quem é John Galt? O título anterior corresponde a uma frase frequentemente usada no texto. Mas, para os que não conhecem ainda a obra, é meio obscuro. A tradução usada na presente edição é a mesma, mas ela foi revisada, corrigida e melhorada pela Sextante.

Com 1.231 páginas na presente edição brasileira, o livro tem enredo extremamente complexo, bem elaborado e atraente – e surpreendentemente atual, especialmente quando se leva em conta o fato que foi publicado há quase 60 anos (sua preparação, pesquisa e redação tendo custado mais de dez anos da vida de Ayn Rand). Mais detalhes sobre o enredo serão fornecidos adiante, nesta e na seção seguinte. É bom lembrar que em 1957, quando o livro foi publicado, estávamos, aqui no Brasil, no meio do governo Kubitscheck, na euforia da construção de Brasília e da aceleração do nosso desenvolvimento: cinquenta anos em cinco. Clima de “ninguém segura este país”, “este é um país que vai pra frente”, etc.

Os principais personagens da história também são bem definidos e muito interessantes. Eles são a Vice-Presidente Operacional da principal companhia ferroviária dos Estados Unidos, a única que é verdadeiramente transcontinental, fazendo viagem de Nova York a São Francisco; o proprietário da maior siderúrgica americana, que inventa um metal mais resistente, leve e barato do que o aço; o proprietário e líder mundial da indústria de extração, industrialização e comercialização de cobre, chileno de nascimento; e um inventor misterioso, sobre o qual há suspense nos primeiros dois terços do livro, deixando todo mundo, dentro e fora do livro, curioso. Vem daí o “Quem é John Galt?” Vários personagens secundários, todos eles muitíssimo interessantes, completam o quadro. O meu favorito, dentre os secundários, é Hugh Akston, professor de filosofia, dono de uma lanchonete, e sócio de uma fábrica de cigarros (cuja marca é simplesmente $, the dollar sign). 

Nesta seção darei apenas uma breve descrição do tema escolhido por Rand para seu opus magnum, para que o leitor possa ter uma ideia da dimensão (breadth and depth) da obra.

Publicada em 1957, a história se passa nos Estados Unidos, numa época futura em que o país, seguindo o exemplo de países europeus e latino-americanos, caminha para o socialismo não-revolucionário, aquele socialismo supostamente democrático que transforma a sociedade através da legislação e da demagogia. Os países vão se transformando, um a um, especialmente na Europa, que lidera o processo, em “Repúblicas Populares”, que, gradualmente, têm sua economia totalmente regulada, manietada mesmo, e, assim, controlada e socializada. Os Estados Unidos parecem ainda ser capazes de resistir, mas, aparentemente, não por muito tempo. O clima é de guerra contra os empresários, em especial os industriais.

O livro descreve o que acontece quando aqueles que (como Atlas) sustentam o mundo nas costas resolvem fazer greve, assim sacudindo o mundo dos ombros e deixando que ele literalmente “vá para o brejo”. Na verdade, a guerra é contra todos os que têm habilidade e competência e valorizam no limite a sua independência, a sua autonomia, a sua liberdade — em relação ao governo e à sociedade. 

Pela primeira vez na história, as pessoas de habilidade e competência resolvem fazer greve. O título original do livro era The Strike. Em Francês, continua a ser La Grève.

“Vamos ver o que acontece ao mundo quando quem faz greve contra quem” é frase (retirada do livro) que resume o tema da obra.

Entrando em greve, empresários e empreendedores americanos começam a desaparecer, abandonando suas empresas nas mãos de reguladores e controladores estatais. Grandes filósofos, cientistas e artistas também desaparecem, abandonando seus empreendimentos. O lado otimista da história é que o estado pode confiscar os produtos e as produções de empresas e outros empreendimentos, pode até se apropriar das próprias organizações, mas não consegue obrigar empresários e outros empreendedores a lhe arrendar suas mentes, sua inteligência, sua criatividade, sua habilidade, sua competência, seu trabalho… O estado, portanto, que fique com as empresas e os diversos empreendimentos, decidem seus proprietários na história. Mas eles não colocam mais suas mentes a serviço da sustentação de um mundo onde esse tipo de confisco pode acontecer. Na realidade, aquilo que eles deixam para o estado espoliador não passa da carcaça – a imagem é usada no livro – de empresas e empreendimentos cuja alma eles levaram consigo.

A história narra nos mínimos detalhes o caos que resulta dessa inusitada greve em que aqueles que normalmente são vítimas das greves, os empresários e empreendedores, retiram do mercado sua mente e seu trabalho, e, no processo, deixam o mundo sem bens, sem serviços, sem empregos.

Quando Atlas faz greve, o mundo literalmente para e, a seguir, desmorona (mais ou menos como aconteceu com o mundo comunista em 1989-1991, mais de trinta anos depois do livro – com uma pequena colaboração de Reagan e Thatcher, fãs do livro e de sua autora).

O livro coloca o foco na tentativa heroica da principal personagem, a Vice-Presidente da Taggart Transcontinental, de resistir à greve – mas, no final, ela consegue e (no bom sentido) sucumbe (adere à greve).

Ao final da história, quando as luzes do velho mundo se apagam, simbolizando a derrocada que lhe sobrevém quando Atlas deixa de sustenta-lo, a porta está aberta para a construção de um mundo novo: a greve termina e Atlas está pronto para reassumir seu lugar – agora com um exército consciente e bem preparado de aliados pronto para ajuda-lo.

[* Este primeiro capítulo é uma versão revista, levemente ampliada e atualizada, de um artigo que eu escrevi, a pedido do jornal, para a Folha de S. Paulo, seção Cifras & Letras, publicado em 9 de Outubro de 2010, por ocasião do lançamento da reedição de A Revolta de Atlas. O artigo da Folha foi reimpresso aqui neste blog em 09/10/2010, em https://liberal.space/2010/10/09/a-greve-dos-que-sustentam-o-mundo-nas-costas/, e novamente em 22/12/2014, em https://liberal.space/2014/12/22/excerto-de-a-revolta-de-atlas-obra-de-ayn-rand/.%5D

II. 60 Anos de Atlas Shrugged (**)

Atlas Shrugged, publicado quase 60 anos atrás, continua a ser o mais profundo romance de análise política do Século 20. Um romance engajado de uma escritora radicalmente liberal. Surpreendentemente, é também o mais popular. 

Os críticos literários não gostaram — o que não é novidade. A esquerda — em especial a esquerda marxista — detestou. A esquerda mais light, social democrata, também não gostou, mas controlou um pouco o seu ódio. 

O público leitor, entretanto, amou…

Um pouco antes da última virada do século a Random House, editora americana, resolveu elaborar duas listas dos 100 melhores livros de ficção do Século 20. Para a primeira, solicitou a opinião dos seus editores e críticos literários; para a outra, a opinião do público leitor. Não há surpresa no fato de que as duas listas quase não têm sobreposições. Atlas Shrugged ficou no primeiro lugar na lista dos leitores, seguido de The Fountainhead, também de Ayn Rand (publicado em 1943). As duas listas completas estão disponíveis no site da Random House, no endereço:

http://www.randomhouse.com/modernlibrary/100bestnovels.html 

(A propósito, a lista dos editores e críticos tem Ulisses, de James Joyce, em primeiro lugar, e The Great Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, em segundo.) 

O fato de Atlas Shrugged haver ficado em primeiro lugar na lista dos leitores é surpreendente por várias razões. Uma delas é que o livro tem, em sua edição de capa dura, quase 1.200 páginas. Outra, que essas páginas contêm discussões filosóficas bastante densas acerca da natureza humana, do trabalho, do dinheiro, do sexo, da felicidade; da lógica, do conhecimento e da verdade; da ética e dos valores; da liberdade e dos direitos individuais; da política, do estado e do governo; da economia, da livre iniciativa, da propriedade privada. O livro é uma defesa intransigente do liberalismo, sem adjetivos, e do capitalismo, que é sua expressão na área econômica. A defesa do capitalismo tem como base não só o fato de que ele é o único sistema econômico capaz de realmente produzir riqueza e desenvolvimento (econômico, social e humano), mas também o único sistema econômico compatível com um regime político livre e, portanto, justificável moralmente. A defesa do capitalismo é, portanto, não só utilitária, mas também moral, no sentido mais objetivo do termo. 

A natureza filosófica de Atlas Shrugged pode ser percebida na simples leitura do título de suas três partes:

  • “Não-Contradição” (“Non-Contradiction“),
  • “Ou Um Ou Outro” (“Either-Or“), e
  • “A é A” (“A is A“).

Esses três títulos se referem aos três princípios básicos da Lógica, a saber: o princípio da Não-Contradição (nenhum enunciado pode ser verdadeiro e falso), o princípio do Terceiro Excluído (um enunciado tem de ser ou verdadeiro ou falso, não há uma terceira possibilidade), e o princípio da identidade (se um enunciado é verdadeiro, então ele é sempre verdadeiro; se ele é falso, então ele é sempre falso).

É um tributo à habilidade linguística de Ayn Rand, para quem o Inglês não era a língua mãe (ela nasceu na Rússia em 1902 só veio para os Estados Unidos já adulta, em 1926), que ela tenha conseguido tal domínio dessa língua que seu livro é um considerado um clássico da literatura americana. Nas livrarias, é encontrado sempre entre os clássicos da literatura americana.

É um tributo à habilidade literária de Ayn Rand — que inclui as habilidades de construir um enredo fascinante, de definir personagens marcantes, de gerar e manter suspense, de levar o curso dos eventos a um climax — que Atlas Shrugged, apesar do tamanho e da complexidade da trama, tenha vendido vários milhões de cópias em suas várias edições (no original – não incluindo as traduções).

A história, narrada na terceira pessoa, se passa nos Estados Unidos (como se observou na seção anterior), em algum momento depois da guinada daquele país para a esquerda, algo que aconteceu durante o New Deal (década de 1930, começo da década de 1940). Provavelmente a data melhor para situar os eventos seja por volta do final dos anos finais do Século 20. Na história, os vários países europeus já se tornaram “Repúblicas Populares” (“People’s Republics“), isto é, já se tornaram socialistas, e os Estados Unidos caminham rapidamente na mesma direção. O governo americano, “em nome do povo”, interfere aberta a decididamente na economia, com leis e decretos (“diretivos”) que buscam “igualizar as oportunidades empresariais”, mas que tornam cada vez mais difícil para os empreendedores realmente competentes produzirem livremente, isto é, sem involuntariamente descumprirem ou intencionalmente burlarem alguma determinação governamental. A tentativa de “igualizar as oportunidades empresariais” é feita em nome do princípio marxiano de que os que têm habilidade e competência devem obrigatoriamente ajudar os que precisam: “de cada um conforme a sua habilidade, a cada um conforme a sua necessidade”.

A estratégia do governo regulamentador, como cinicamente revelada pelo Dr. Floyd Ferris, um dos diretores do Instituto Nacional de Ciência (State Science Institute – expressão que contém uma contradição de termos, segundo Rand), não é que todos os empresários cumpram essa miríade de normas e regulamentos. A intenção é que todos os empresários se tornem, inevitavelmente, criminosos, por ser impossível produzir sem quebrar alguma norma ou regulamento governamental. Como o poder governamental é, acima de tudo, o poder de punir os criminosos, o governo, assim, adquire um enorme poder de barganha, vendendo favores através de esquemas cada vez mais corruptos. 

(Apesar da distância no tempo e no espaço, qualquer semelhança com o Brasil de hoje é pura coincidência…)

O governo não tem nenhum poder de barganha com o inocente: sua força advém do fato de que ele pode punir — aqueles que quebram suas leis. Se as leis forem mínimas e racionais, pouca gente as descumpre. Se os impostos forem baixos, pouca gente deixa de paga-los. Se existirem, porém, leis e impostos em grande quantidade e formarem um emaranhado indecifrável de normas e regulamentos de interpretação sempre obscura e questionável, todo mundo se torna facilmente criminoso e, portanto, passível de punição por parte do governo. Como é virtualmente impossível punir todo mundo, o governo seleciona aqueles que ele, sob a ameaça de punição, quer “enquadrar”. Faz chantagem com eles, é a expressão correta. 

Nesse quadro, começa a aparecer um desenvolvimento interessante e curioso, que fornece o elemento central do enredo do romance. Quando a pressão se torna perto de insuportável para um grande industrial, ele simplesmente desaparece sem deixar vestígio – tira o time de campo. Às vezes ele deliberadamente destroi sua indústria antes de partir, como o fez Ellis Wyatt, o magnata do petróleo. Outras vezes ele a deixa virtualmente intacta (como o faz Hank Rearden, o dono da siderúrgica), na certeza de que, sem ele, ela não vai durar muito. Gradativamente vai se mostrando que esses desaparecimentos não são atos de covardia individuais, sem coordenação, mas, sim, parte de uma greve muito bem organizada dos empresários realmente competentes e produtivos, dos quais depende a economia nacional — greve inicialmente pequena, mas que ganha momento e começa a preocupar não só os empresários que ainda não aderiram, mas o próprio governo que, pouco a pouco, percebe que a economia está entrando em colapso.

O objetivo da greve é mostrar ao mundo quem sai realmente perdendo quando quem entra em greve… As greves tradicionais, feitas pelos trabalhadores contra os empresários (especialmente do setor industrial), tentam mostrar que os trabalhadores são os reais produtores, a fonte real da riqueza dos empresários industriais, que os exploram, retendo para si a “parte do leão” do preço de venda dos produtos (a “mais valia”). A greve dos empresários industriais procura mostrar que eles são os reais geradores de riquezas, fazendo dinheiro com sua capacidade criativa (suas idéias inovadoras) e produtiva (sua habilidade de transformar essas idéias em realidade, isto é, em produtos e serviços). Sem eles a maior parte dos trabalhadores não teria trabalho e literalmente morreria de fome (como frequentemente acontecia antes da era liberal-capitalista e aconteceu nos regimes comunistas). Os empresários industriais e demais empreendedores são, portanto, o Atlas que segura o mundo nos ombros. Ao entrar em greve, eles estão sacudindo os ombros e deixando o mundo literalmente ir para o brejo.

Resumindo e repetindo, Atlas Shrugged foi publicado pela Random House nos Estados Unidos. O livro foi publicado em Português, no Brasil, em 1987, trinta anos depois de sua publicação nos Estados Unidos, sob o título Quem é John Galt? A tradução é de Paulo Henriques Britto e a publicação foi feita pela Editora Expressão e Cultura, do Rio de Janeiro. Tenho duas cópias dessa tradução, uma em um volume, dentro de uma caixinha de papelão, e outra em dois volumes. Esgotada essa edição brasileira, uma nova edição está sendo preparada pela Editora Sextante, com uma revisão do texto.

[** Este segundo capítulo é uma versão revista e atualizada de um artigo que publiquei neste blog em 05/10/2007, cinco dias antes do quinquagésimo aniversário da publicação do livro em Inglês. Seu endereço é: https://liberal.space/2007/10/05/50-anos-de-atlas-shrugged/%5D

III. Trecho de A Revolta de Atlas (Atlas Shrugged) (***)

O trecho abaixo é longo. É parte de A Revolta de Atlas (Atlas Shrugged).  Na minha opinião, uma das partes mais importantes, porque revela por que a mentalidade socialista não funciona: ao tentar implantar um “novo homem”, isto é, uma natureza humana ideal, essa mentalidade vai contra a natureza humana real. 

Transcrevo segundo o texto da tradução brasileira de Paulo Henriques Britto (com pequenas modificações minhas), originalmente publicada sob o título Quem é John Galt? e, atualmente, sob o título A Revolta de Atlas. A primeira edição foi publicada em um volume pela Editora Expressão e Cultura, Rio de Janeiro, 1987, e a segunda, em três volumes, pela Editora Sextante, São Paulo, 2010. O texto é basicamente o mesmo nas duas edições, com pequenas correções e melhorias.

A maior parte do trecho é uma explicação, por parte de um ex-empregado, do porquê da falência da fábrica (Twentieth-Century Motors / Motores Século Vinte) em que ele trabalhava. Trata-se, naturalmente, de uma obra de ficção.

Como disse, o texto é o da tradução brasileira, com pequenas modificações minhas, e foi retirado das pp. 510-515 da primeira edição e das pp. 343-353 do segundo volume da segunda edição. Forneço a indicação do número das páginas da segunda edição.

================

[p.343]

— Bem, foi uma coisa que aconteceu na fábrica onde trabalhei durante 20 anos. Foi quando o velho morreu e os herdeiros tomaram conta. Eles eram três, dois filhos e uma filha, e inventaram um novo plano para administrar a fábrica. Deixaram a gente votar, também, para aceitar ou não o plano, e todo mundo, quase todo mundo, votou a favor. A gente não sabia, pensava que fosse bom. Não, também não é bem isso, não. A gente pensavam que queriam que a gente achasse que era bom. O plano era o seguinte: cada um trabalhava conforme sua capacidade, e recebia conforme sua necessidade. [. . .]

— Aprovamos o tal plano numa grande assembleia. Nós éramos 6 mil, todo mundo que trabalhava na fábrica. Os herdeiros do velho Starnes fizeram uns discursos compridos, e ninguém entendeu muito bem, mas ninguém fez nenhuma pergunta. Ninguém sabia como é que o plano ia funcionar, mas cada um achava que o outro [p.344] sabia. E quem tinha dúvida se sentia culpado e não dizia nada, porque, do jeito que os herdeiros falavam, quem fosse contra era desumano e assassino de criancinhas. Disseram que esse plano ia concretizar um nobre ideal. Como é que a gente podia saber? Não era isso que a gente ouvia a vida toda dos pais, professores e pastores, em todos os jornais, filmes e discursos políticos? Não diziam sempre que isso era o certo e o justo? [. . .]

— Bem, pode ser que a gente tenha alguma desculpa para o que fez naquela assembleia. O fato é que votamos a favor do plano, e o que aconteceu conosco depois foi merecido.

A senhora sabe, nós que trabalhamos lá na Século XX durante aqueles quatro anos, somos homens marcados. O que dizem que o inferno é? O mal, o mal puro, nu, absoluto, não é? Pois foi isso que a gente viu e ajudou a fazer, e acho que todos nós estamos malditos, e talvez nunca mais vamos ter perdão. . .

A senhora quer saber como funcionou o tal plano, e o que aconteceu com as pessoas? É como derramar água dentro de um tanque em que há um cano no fundo puxando mais água do que entra, e cada balde que a senhora derrama lá dentro o cano alarga mais um bocado, e quanto mais a senhor trabalha, mais exigem da senhora, e no fim a senhora está despejando baldes 40 horas por semana, depois 48, depois 56, para o jantar do vizinho, para a operação da mulher dele, para o sarampo do filho dele, para a cadeira de rodas da mãe dele, para a camisa do tio dele, para a escola do sobrinho dele, para o bebê do vizinho, para o bebê que ainda vai nascer, para todo mundo à sua volta, tudo é para eles, desde as fraldas até as dentaduras, e só o trabalho é seu, trabalhar da hora em que o sol nasce até escurecer, mês após mês, ano após ano, ganhando só suor, o prazer só deles, durante toda a sua vida, sem descansar, sem esperança, sem fim. . .

De cada um, conforme sua capacidade, para cada um, conforme sua necessidade. [. . .]

— Nós somos uma grande família, todo mundo, é o que nos diziam, estamos todos no mesmo barco. Mas não é todo mundo que passa 10 horas com um maçarico na mão, nem todo mundo que fica com dor de barriga ao mesmo tempo. Capacidade de quem? Necessidade de quem, quem tem prioridade? Quando é tudo uma coisa só, ninguém pode dizer quais são as suas necessidades, não é? Senão qualquer um pode dizer que necessita de um iate, e se só o que conta são os sentimentos dele, ele acaba até provando que tem razão. Por que não? Se eu só tenho o direito de ter carro depois que eu trabalhei tanto que fui parar no hospital, depois de garantir um carro para todo vagabundo e todo selvagem nu do mundo, por que ele não pode exigir de mim um iate também, se eu ainda tenho a capacidade de trabalhar? Não pode? Então ele não pode exigir que eu tome meu café sem leite até ele conseguir pintar a sala de visitas dele? Pois é. . . .

Mas então decidiram que ninguém tinha o direito de julgar suas próprias [p.345] capacidades e necessidades. Tudo era resolvido na base da votação. Sim, senhora, tudo era votado em assembleia duas vezes por ano. Não tinha outro jeito, não é? E a senhora imagina o que acontecia nesses eventos? Bastou a primeira para a gente descobrir que todo mundo tinha virado mendigo — mendigos esfarrapados, humilhados, todos nós, porque nenhum homem podia dizer que fazia jus a seu salário, não tinha direitos nem fazia jus a nada, não era dono de seu trabalho, o trabalho pertencia à ‘família’, e ela não lhe devia nada em troca, a única coisa que cada um tinha era a sua ‘necessidade’, e aí tinha que pedir em público que atendessem às suas necessidades, como qualquer parasita, enumerando todos os seus problemas, até os remendos na calça e os resfriados da esposa, na esperança de que a ‘família’ lhe jogasse uma esmola. O jeito era chorar miséria, porque era a sua miséria, e não o seu trabalho, que agora era a moeda corrente de lá.

Assim, a coisa virou um concurso de misérias disputado por 6 mil pedintes, cada um chorando mais miséria que o outro. Não tinha outro jeito, não é? A senhora imagina o que aconteceu, que tipo de homem ficava calado, com vergonha, e que tipo de homem levava a melhor? [. . .]

— Mas tem mais. Mais uma coisa que a gente descobriu na mesma assembleia. A produção da fábrica tinha caído 40 por cento naquele primeiro semestre, e então concluiu-se que alguém não tinha usado toda a sua ‘capacidade’. Quem? Como descobrir? A ‘família’ também decidia isso no voto. Escolhiam no voto quais eram os melhores trabalhadores, e esses eram condenados a trabalhar mais, fazer hora extra todas as noites durante os seis meses seguintes. E sem ganhar nada a mais, porque a gente ganhava não por tempo nem por trabalho, e sim conforme a necessidade.

Será que preciso explicar o que aconteceu depois disso? Explicar que tipo de criaturas nós fomos virando, nós que antes éramos seres humanos? Começamos a esconder toda a nossa capacidade, trabalhar mais devagar, ficar de olho para ter certeza de que a gente não trabalhava mais depressa nem melhor do que o colega ao nosso lado. Tinha que ser assim, pois a gente sabia que quem desse o melhor de si para a ‘família’ não ganhava elogio nem recompensa, mas castigo. Sabíamos que para cada imbecil que estragasse um motor e desse um prejuízo para a fábrica — ou por desleixo, porque não tinha nenhum motivo para caprichar, ou por pura incompetência — quem ia ter que pagar era a gente, trabalhando de noite e no domingo. Por isso, a gente se esforçava o máximo para ser o pior possível.

Tinha um garoto que começou todo empolgado com o nobre ideal, um garoto muito vivo, sem instrução, mas um crânio. No primeiro ano ele inventou um processo que economizava milhares de homens-hora. Deu de mão beijada a descoberta dele para a ‘família’, não pediu nada em troca, nem podia, mas não se incomodava com isso. ‘Era tudo pelo ideal’, dizia ele. Mas, quando foi eleito um dos mais capazes e condenado a trabalhar de noite, ele fechou a boca e o cérebro. No ano seguinte, é claro, não teve nenhuma ideia [p.346] brilhante.

A vida inteira nos ensinaram que os lucros e a competição tinham um efeito nefasto, que era terrível um competir com o outro para ver quem era melhor, não é? [. . .]

Pois deviam ver o que acontecia quando um competia com o outro para ver quem era o pior.

Não há maneira melhor de destruir um homem do que obrigá-lo a tentar NÃO fazer o melhor de que é capaz, a se esforçar por fazer o pior possível, dia após dia. Isso mata mais depressa do que a bebida, a vadiagem, a vida de crime. Mas para nós a única saída era fingir incompetência. A única acusação que temíamos era a de que tínhamos capacidade. A capacidade era como uma hipoteca que nunca se termina de pagar.

E trabalhar para quê? A gente sabia que o mínimo para a sobrevivência era dado a todo mundo, quer trabalhasse quer não, a chamada ‘ajuda de custo para moradia e alimentação’, e mais do que isso não se tinha como ganhar, por mais que se esforçasse. Não se podia ter certeza de que seria possível comprar uma muda de roupas no ano seguinte — a senhora podia ou não ganhar uma ‘ajuda de custo para vestimentas’, dependendo de quantas pessoas quebrassem a perna, precisassem ser operadas, ou tivessem mais filhos. E, se não havia dinheiro para todo mundo comprar roupas, então a senhora também ficava sem roupa nova.

Havia um homem que tinha passado a vida toda trabalhando até não poder mais, porque queria que seu filho fizesse faculdade. Pois bem, o garoto terminou o secundário no segundo ano de vigência do plano, mas a ‘família’ não quis dar ao homem uma ‘ajuda de custo’ para pagar a faculdade do filho. Disseram que o filho só ia poder entrar para a faculdade quando houvesse dinheiro para os filhos de todos entrarem para a faculdade — e, para isso, era preciso primeiro pagar o ensino médio dos filhos de todos, e não havia dinheiro nem para isso. O homem morreu no ano seguinte, numa briga de faca num bar, uma briga sem motivo. Brigas desse tipo estavam se tornando cada vez mais comum entre nós.

Havia um sujeito mais velho, um viúvo sem família, que tinha um hobby: colecionar discos. Acho que era a única coisa de que ele gostava na vida. Antes, ele costumava ficar sem almoçar para ter dinheiro para comprar mais um disco clássico. Pois não lhe deram nenhuma ‘ajuda de custo’ para comprar discos — disseram que aquilo era ‘luxo pessoal’. Mas, naquela mesma assembleia, votaram a favor de dar para uma tal de Millie Bush, filha de alguém, uma garotinha de oito anos feia e má, um aparelho de ouro para corrigir seus dentes — isto era uma ‘necessidade médica’, porque o psicólogo da empresa disse que a coitadinha ia ficar com complexo de inferioridade se seus dentes não fossem endireitados. O velho que gostava de música passou a beber. Chegou a um ponto em que nunca mais era visto sóbrio. Mas parece que uma coisa ele nunca esqueceu. Uma noite, ele vinha cambaleando pela rua quando viu a tal da Millie Bush, então lhe deu um soco que lhe quebrou todos os dentes da menina. Todos. [. . .]

— A bebida, naturalmente, era a solução para a qual todos nós apelávamos, uns [p.347] mais, outros menos. Não me pergunte onde é que achávamos dinheiro para isso. Quando todos os prazeres decentes são proibidos, sempre se dá um jeito de gozar os prazeres que não prestam. Ninguém arromba mercearias à noite nem rouba o colega para comprar discos clássicos nem caniços de pesca, mas, se é para tomar um porre e esquecer, faz-se de tudo. Caniços de pesca? Armas para caçar? Máquinas fotográficas? Hobbies? Não havia ‘ajuda de custo de entretenimento’ para ninguém. O lazer foi a primeira coisa que cortaram. Pois a gente não deve ter vergonha de reclamar quando alguém pede para abrirmos mão de uma coisa que nos dá prazer? Até mesmo a nossa ‘ajuda de custo de fumo’ foi racionada a ponto de só recebermos dois maços de cigarro por mês — e isso, diziam eles, porque o dinheiro estava indo para o fundo do leite dos bebês.

Os bebês eram o único produto que havia em quantidades cada vez maiores — porque as pessoas não tinham outra coisa para fazer, imagino, e porque não tinham que se preocupar com os gastos da criação dos bebês, já que eram uma responsabilidade da ‘família’. Aliás, a melhor maneira de conseguir um aumento e poder ficar mais folgado por uns tempos era ganhar uma ‘ajuda de custo para bebês’ — ou isso ou arranjar uma doença séria. [. . .]

— Bom, não demorou muito para a gente entender como a coisa funcionava. Todo aquele que resolvia agir certinho tinha que se abster de tudo. Tinha que perder toda a vontade de gozar qualquer prazer, não gostar de fumar um cigarro nem mascar um chiclete, porque alguém podia ter uma necessidade maior do dinheiro gasto naquele cigarro ou chiclete. Sentia vergonha cada vez que engolia uma garfada de comida, pensando em quem tinha tido que trabalhar de noite para pagar aquela garfada, sabendo que o alimento que comia não era seu por direito, sentindo a vontade infame de ser trapaceado ao invés de trapacear, de ser um pato, e não um sanguessuga. Não podia ajudar os pais, para não colocar um fardo mais pesado sobre os ombros da ‘família’. Além disso, se ele tivesse um mínimo de senso de responsabilidade, não podia se casar nem ter filhos, pois não podia planejar nada, prometer nada, contar com nada.

Mas os indolentes e irresponsáveis se deram bem. Arranjaram filhos, seduziram moças, trouxeram todos os parentes imprestáveis que tinham, todas as irmãs solteiras grávidas, para receber uma ‘ajuda de custo de doença’, inventaram todas as doenças possíveis, sem que os médicos pudessem provar a fraude, estragaram suas roupas, seus móveis, suas casas — pois não era a ‘família’ que estava pagando? Descobriram muito mais ‘necessidades’ do que os outros, desenvolvendo um talento especial para isso, a única capacidade que demonstraram.

Deus me livre! [. . .]

— A senhora entende? Compreendemos que nos tinham dado uma lei, uma lei MORAL, segundo eles, que punia quem a observava — pelo fato de a observar. Quanto mais a senhora tentava seguir essa lei, mais sofria; quanto mais a violava, mais lucrava. [p.348]

A sua honestidade era como um instrumento nas mãos da desonestidade do próximo. Os honestos pagavam, e os desonestos lucravam. Os honestos perdiam, os desonestos, ganhavam. Com esse tipo de padrão do que é certo e errado, por quanto tempo os homens poderiam permanecer honestos? No começo éramos pessoas bem honestas, e só havia uns poucos aproveitadores. Éramos competentes, nos orgulhávamos do nosso trabalho, e éramos funcionários da melhor fábrica do país, para a qual o velho Starnes só contratava a nata dos trabalhadores. Um ano depois da implantação do plano não havia mais um homem honesto entre nós. Era ISSO o mal, o horror infernal que os pregadores usavam para assustar os fiéis, mas que a gente nunca imaginava ver em vida. A questão não foi que o plano estimulasse uns poucos corruptos, e sim que ele corrompia pessoas honestas, e o efeito não podia ser outro — e era isso que chamavam de ideia moral!

Queriam que trabalhássemos em nome de quê? Do amor pelos nossos irmãos? Que irmãos? Os parasitas, os sanguessugas que víamos ao redor? E se eles eram desonestos ou se eram incompetentes, se não tinham vontade ou não tinham capacidade de trabalhar — que diferença fazia para nós? Se estávamos presos para o restante da vida àquele nível de incompetência, fosse verdadeiro ou fingido, por quanto tempo nos daríamos ao trabalho de seguir em frente? [. . .]

— Não tínhamos como saber qual era a verdadeira capacidade deles, não tínhamos como controlar suas necessidades — só sabíamos que éramos burros de carga lutando às cegas num lugar que era meio hospital, meio curral — um lugar onde só incentivavam a incompetência, as catástrofes, as doenças — burros de carga que só serviam às necessidades que os outros afirmavam ter.

Amor fraternal? Foi então que aprendemos, pela primeira vez na vida, a odiar nossos irmãos. Começamos a odiá-los por cada refeição que faziam, cada pequeno prazer que gozavam, a camisa nova de um, o chapéu da esposa de outro, o passeio que um dava com a família, a reforma que o outro fazia na casa — tudo aquilo era tirado de nós, era pago pelas nossas privações, nossas renúncias, nossa fome.

Um começou a espionar o outro, cada um tentando flagrar o outro em alguma mentira sobre suas necessidades, para cortar sua ‘ajuda de custo’ na assembleia seguinte. Começaram a surgir delatores, que descobriam que alguém tinha comprado às escondidas um peru para a família num domingo qualquer, provavelmente com o dinheiro que ganhara no jogo. Começamos a nos meter um na vida do outro. Provocávamos brigas de família, para conseguir que os parentes de alguém saíssem da lista de beneficiados. Toda vez que víamos algum homem começando a namorar uma moça, tornávamos a vida dele um inferno. Fizemos muitos noivados se romperem. Não queríamos que ninguém se casasse, não queríamos mais dependentes para alimentar.

Antes, comemorávamos quando alguém tinha filho, todo mundo contribuía para ajudar a pagar a conta do hospital, quando os pais estavam sem dinheiro. Nessa época, quando nascia uma criança, [p.349] ficávamos semanas sem falar com os pais. Para nós, os bebês eram o que os gafanhotos são para os fazendeiros: uma praga.

Antes, ajudávamos quem tinha doente na família. Depois . . . [. . .]

— Bom, vou contar apenas um caso para a senhora. Era a mãe de um homem que trabalhava conosco havia quinze anos, uma senhora simpática, alegre e sábia, conhecia todos nós pelo primeiro nome, todos nós gostávamos dela antes. Um dia ela escorregou na escada do porão, caiu e quebrou a bacia. Nós sabíamos o que isso representava para uma pessoa daquela idade. O médico disse que ela teria que ser internada, para fazer um tratamento caro e demorado. A velha morreu na véspera do dia em que ia ser levada para o hospital. Ninguém nunca explicou a causa da morte dela. Não, não sei se foi assassinada. Ninguém disse isso. Não se comentava nada sobre o assunto. A única coisa que sei — e disso nunca vou me esquecer — é que eu, também, quando dei por mim, estava rezando para que ela morresse. Que Deus nos perdoe! Eram essas a fraternidade, a segurança, a abundância que nos haviam prometido com a adoção do plano. [. . .] [p.351]

— Bem, quando a gente via isso, entendia qual era a motivação verdadeira de todo mundo que já pregou o princípio ‘de cada um conforme sua capacidade, a cada um conforme sua necessidade’. Esse era o segredo da coisa. De início, eu não entendia como é que os homens instruídos, cultos e famosos do mundo podiam cometer um erro como esse e pregar que esse tipo de abominação era direito quando bastavam cinco minutos de reflexão para verem o que aconteceria quando alguém tentasse pôr em prática essa ideia. Agora sei que eles não defendiam isso por erro. Ninguém comete um erro desse tamanho inocentemente. Quando os homens defendem alguma loucura malévola, quando não têm como fazer essa ideia funcionar na prática e não têm um motivo que possa explicar essa sua escolha, então é porque não querem revelar o verdadeiro motivo.

E nós também não éramos tão inocentes assim, quando votamos a favor daquele plano na primeira assembleia. Não fizemos isso só porque acreditávamos naquelas besteiradas que eles vomitavam. Nós tínhamos outro motivo, mas as besteiradas nos ajudavam a escondê-lo dos outros e de nós mesmos, nos ofereciam uma oportunidade de dar a impressão de que era virtude algo que tínhamos vergonha de assumir. Cada um que aprovou o plano achava que, num sistema assim, conseguiria faturar em cima dos lucros dos homens mais capazes. Cada um, por mais rico e inteligente que fosse, achava que havia alguém mais rico e mais inteligente, e que esse plano lhe daria acesso a uma fatia da riqueza e da inteligência dos que eram melhores que ele. Mas enquanto ele pensava que ia ganhar aquilo que ele não merecia e que cabia aos que lhe eram superiores, ele esquecia os homens que lhe eram inferiores e que também iam ganhar aquilo que não mereciam. Ele esquecia os inferiores que iam querer roubá-lo tanto quanto ele queria roubar seus superiores. O trabalhador que gostava de pensar que suas necessidades lhe davam o direito de ter uma limusine igual à do patrão se esquecia de que todo vagabundo e mendigo do mundo viria gritando que as necessidades deles lhes davam o direito de ter uma geladeira igual à do trabalhador. Era ESSE o nosso motivo para aprovar o plano, na verdade, mas não gostávamos de pensar nisso. E então, quanto mais a ideia nos desagradava, mais alto gritávamos que éramos a favor do bem comum.

Bem, tivemos o que merecíamos. Quando vimos o que havíamos pedido, era tarde demais. Havíamos caído numa armadilha, e não tínhamos para onde ir. Os melhores de nós saíram da fábrica na primeira semana de vigência do plano. Perdemos nossos melhores engenheiros, superintendentes, chefes, os trabalhadores mais qualificados. Quem tem amor-próprio não se deixa transformar em vaca leiteira para ser ordenhada pelos outros. Alguns sujeitos capacitados tentaram seguir em frente, mas não conseguiram aguentar muito [p.352] tempo. A gente estava sempre perdendo os melhores, que viviam fugindo da fábrica como o diabo da cruz, até que só restavam os homens necessitados, sem mais nenhum dos capacitados. E os poucos que ainda valiam alguma coisa eram aqueles que já estavam lá havia muito tempo. [. . .]

— Antigamente, ninguém pedia demissão da Século XX, e a gente não conseguia se convencer de que a companhia não existia mais. Depois de algum tempo, não podíamos mais pedir demissão porque nenhum outro empregador nos aceitaria — aliás com razão. Ninguém queria ter qualquer tipo de relacionamento conosco, nenhuma pessoa nem firma respeitável. Todas as pequenas lojas com as quais negociávamos começaram a sair de Starnesville depressa, e no fim só restavam bares, cassinos e salafrários que nos vendiam porcarias a preços exorbitantes. As esmolas que recebíamos eram cada vez menores, mas o custo de vida subia. A lista dos necessitados da fábrica não parava de aumentar, mas a quantidade de fregueses diminuía. Havia cada vez menos renda para dividir entre cada vez mais pessoas.

Antes, dizia-se que a marca da Século XX era tão confiável quanto a marca de quilates num lingote de ouro. Não sei o que pensavam os herdeiros do velho Starnes, se é que pensavam alguma coisa, mas imagino que, como todos os planejadores sociais e selvagens, eles achavam que essa marca era um selo mágico que tinha um poder sobrenatural que os manteria ricos, tal como enriquecera seu pai. Mas quando nossos fregueses começaram a perceber que nunca conseguíamos entregar uma encomenda dentro do prazo, nem produzir um motor que não tivesse algum defeito, o selo mágico passou a ter o valor oposto: as pessoas não queriam um motor, nem se ele fosse dado, se ostentasse o selo da Século XX.

E no final nossos fregueses eram todos do tipo que nunca pagam o que devem, e nunca têm nem mesmo a intenção de pagar. [. . .]

— No entanto, Gerald Starnes, dopado por sua própria publicidade, ficava todo empertigado, com ar de superioridade moral, exigindo que os empresários comprassem nossos motores, não porque fossem bons, mas porque tínhamos muita NECESSIDADE de encomendas.

Àquela altura, qualquer imbecil já podia ver o que gerações de professores não haviam conseguido enxergar. De que adiantaria nossa necessidade, para uma usina, quando os geradores paravam porque nossos motores não funcionavam direito? De que ela adiantaria para um paciente sendo operado, quando faltasse luz no hospital? De que adiantaria para os passageiros de um avião, quando as turbinas pifassem em pleno voo? E se eles comprassem nossos produtos não por causa do seu valor, mas por causa de nossa necessidade, isso seria correto, bom, moralmente certo para o dono daquela usina, o cirurgião daquele hospital, o fabricante daquele avião?

Pois essa era a lei moral que os professores e líderes e pensadores queriam estabelecer por todo o mundo. Se era este o resultado quando ela era [p.353] aplicada numa única cidadezinha onde todos se conheciam, a senhora pode imaginar o que aconteceria em escala mundial? Pode imaginar o que aconteceria se a senhora tivesse de viver e trabalhar afetada por todos os desastres e toda a malandragem do mundo? Trabalhar — e quando alguém cometesse um erro em algum lugar, a senhora é que teria de pagar. Trabalhar — sem jamais ter perspectivas de melhorar de vida, sendo que suas refeições, suas roupas, sua casa e seu prazer estariam à mercê de qualquer trapaça, de qualquer problema de fome ou de peste em qualquer parte do mundo. Trabalhar, sem nenhuma perspectiva de ganhar uma ração extra enquanto os cambojanos não tivessem sido alimentados e os patagônios não tivessem todos feito faculdade. Trabalhar, tendo cada criatura no mundo um cheque em branco na mão, gente que a senhora nunca vai conhecer, cujas necessidades a senhora jamais vai saber quais são, cuja capacidade, preguiça, desleixo e desonestidade são coisas de que a senhora jamais vai ter ciência nem terá o direito de questionar — enquanto as Ivys e os Geralds da vida resolvem quem vai consumir o esforço, os sonhos e os dias de sua vida. E é ESSA lei moral que se deve aceitar? ISSO é um ideal moral? [. . .]

— Olhe, nós tentamos — e aprendemos. Nossa agonia durou quatro anos, da nossa primeira assembleia à última, e acabou da única maneira que podia acabar: com a falência da companhia. Na nossa última assembleia, foi Ivy Starnes que tentou manter as aparências. Fez um discurso curto, vil e insolente, dizendo que o plano havia fracassado porque o restante do país não aceitara que uma única comunidade poderia ter sucesso no meio de um mundo egoísta e ganancioso, e que o plano era um ideal nobre, mas que a natureza humana não era suficientemente boa para que ele desse certo.

Um rapaz — o mesmo que fora punido por dar uma boa ideia no primeiro ano – se levantou, enquanto todos os outros permaneciam calados, e se dirigiu até Ivy Starnes, que estava no tablado. Sem dizer nada, ele cuspiu na cara dela. Foi assim que acabaram o nobre plano e a Século XX.

[*** Este texto foi originalmente publicado em 1998, em meu site Ayn Rand, no endereço http://aynrand.com.br, que não existe mais. (Atualmente esse endereço remete a este blog, Ayn Rand Space). Depois o texto foi transcrito em meu blog Liberal Space em 17/05/2005, no endereço https://liberal.space/2005/05/17/trecho-de-atlas-shrugged-quem-e-john-galt/. Ele foi ainda republicado, com pequenas correções e revisões, para ficar fiel à segunda edição da obra, no mesmo blog em 22/12/2014 no endereço https://liberal.space/2014/12/22/excerto-de-a-revolta-de-atlas-obra-de-ayn-rand/.]

================

O presente artigo, em três seções, foi composto de material pré-existente, mas revisto, já publicado originalmente no meu blog Liberal Space. Nessa forma, foi publicado em Liberal Space em 01/06/2016, no endereço https://liberal.space/2016/06/01/ayn-rand-e-a-revolta-de-atlas-atlas-shrugged/. Foi republicado aqui neste blog, Ayn Rand Space, em 02/06/2016.

 

Ineptocracia

Definição de “ineptocracia”, retirada de um post de Mila Ramos no Facebook. A definição é totalmente no espírito de Ayn Rand, em especial na passagem transcrita no artigo anterior.

“INEPTOCRACIA é um sistema de governo onde:

* os menos capazes de liderar são eleitos pelos menos capazes de produzir;

* os membros da sociedade com menos chance de se sustentar ou ser bem-sucedidos são recompensados com bens e serviços pagos pela riqueza confiscada de um número cada vez menor de produtores.”

Transcrito aqui em Salto, 10 de Janeiro de 2016.

Mais um Trecho de A Revolta de Atlas

Retirado de A Revolta de Atlas (Atlas Shrugged), de Ayn Rand:

“QUANDO você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada;

QUANDO comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores;

QUANDO perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;

QUANDO perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício;

ENTÃO poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada.”

Transcrito aqui em Salto, 10 de Janeiro de 2016.

Trecho de Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas)

O trecho abaixo é longo. É parte do livro Atlas Shrugged (Random House, New York, 1957), obra prima de Ayn Rand, filósofa, romancista e polemicista americana (nascida na Rússia, em 1905, com o nome de Alyssa Zinovievna Rosenbaum, ela emigrou para os Estados Unidos em 1926, quando tinha 21 anos).

Transcrevo segundo o texto da tradução brasileira de Paulo Henriques Britto (com pequenas modificações minhas), originalmente publicada sob o título Quem é John Galt? e, atualmente, sob o título A Revolta de Atlas. A primeira edição foi publicada em um volume pela Editora Expressão e Cultura, Rio de Janeiro, 1987, e a segunda, em três volumes, pela Editora Arqueiro, São Paulo, 2010. O texto é basicamente o mesmo nas duas edições, com pequenas correções e melhorias.

A maior parte do trecho é uma explicação, por parte de um ex-empregado, do porquê da falência da fábrica (Twentieth-Century Motors / Motores Século Vinte) em que ele trabalhava. Trata-se de uma obra de ficção – recentemente votada, na Internet, pelos usuários, o livro de ficção mais importante do Século 20. A referência a essa votação está no site http://www.modernlibrary.com/.

O texto é o da tradução brasileira, com pequenas modificações minhas, e foi retirado das pp. 510-515 da primeira edição e das pp. 343-353 do segundo volume da segunda edição.

Em Campinas, 16 de maio de 2005 / Em Salto, 9 de Janeiro de 2016

———-

[p.343]

— Bem, foi uma coisa que aconteceu na fábrica onde trabalhei durante 20 anos. Foi quando o velho morreu e os herdeiros tomaram conta. Eles eram três, dois filhos e uma filha, e inventaram um novo plano para administrar a fábrica. Deixaram a gente votar, também, para aceitar ou não o plano, e todo mundo, quase todo mundo, votou a favor. A gente não sabia, pensava que fosse bom. Não, também não é bem isso, não. A gente pensavam que queriam que a gente achasse que era bom. O plano era o seguinte: cada um trabalhava conforme sua capacidade, e recebia conforme sua necessidade.

. . .

— Aprovamos o tal plano numa grande assembleia. Nós éramos 6 mil, todo mundo que trabalhava na fábrica. Os herdeiros do velho Starnes fizeram uns discursos compridos, e ninguém entendeu muito bem, mas ninguém fez nenhuma pergunta. Ninguém sabia como é que o plano ia funcionar, mas cada um achava que o outro

[p.344]

sabia. E quem tinha dúvida se sentia culpado e não dizia nada, porque, do jeito que os herdeiros falavam, quem fosse contra era desumano e assassino de criancinhas. Disseram que esse plano ia concretizar um nobre ideal. Como é que a gente podia saber? Não era isso que a gente ouvia a vida toda dos pais, professores e pastores, em todos os jornais, filmes e discursos políticos? Não diziam sempre que isso era o certo e o justo?

. . .

— Bem, pode ser que a gente tenha alguma desculpa para o que fez naquela assembleia. O fato é que votamos a favor do plano, e o que aconteceu conosco depois foi merecido.

A senhora sabe, nós que trabalhamos lá na Século XX durante aqueles quatro anos, somos homens marcados. O que dizem que o inferno é? O mal, o mal puro, nu, absoluto, não é? Pois foi isso que a gente viu e ajudou a fazer, e acho que todos nós estamos malditos, e talvez nunca mais vamos ter perdão. . .

A senhora quer saber como funcionou o tal plano, e o que aconteceu com as pessoas? É como derramar água dentro de um tanque em que há um cano no fundo puxando mais água do que entra, e cada balde que a senhora derrama lá dentro o cano alarga mais um bocado, e quanto mais a senhor trabalha, mais exigem da senhora, e no fim a senhora está despejando baldes 40 horas por semana, depois 48, depois 56, para o jantar do vizinho, para a operação da mulher dele, para o sarampo do filho dele, para a cadeira de rodas da mãe dele, para a camisa do tio dele, para a escola do sobrinho dele, para o bebê do vizinho, para o bebê que ainda vai nascer, para todo mundo à sua volta, tudo é para eles, desde as fraldas até as dentaduras, e só o trabalho é seu, trabalhar da hora em que o sol nasce até escurecer, mês após mês, ano após ano, ganhando só suor, o prazer só deles, durante toda a sua vida, sem descansar, sem esperança, sem fim. . .

De cada um, conforme sua capacidade, para cada um, conforme sua necessidade.

. . .

— Nós somos uma grande família, todo mundo, é o que nos diziam, estamos todos no mesmo barco. Mas não é todo mundo que passa 10 horas com um maçarico na mão, nem todo mundo que fica com dor de barriga ao mesmo tempo. Capacidade de quem? Necessidade de quem, quem tem prioridade? Quando é tudo uma coisa só, ninguém pode dizer quais são as suas necessidades, não é? Senão qualquer um pode dizer que necessita de um iate, e se só o que conta são os sentimentos dele, ele acaba até provando que tem razão. Por que não? Se eu só tenho o direito de ter carro depois que eu trabalhei tanto que fui parar no hospital, depois de garantir um carro para todo vagabundo e todo selvagem nu do mundo, por que ele não pode exigir de mim um iate também, se eu ainda tenho a capacidade de trabalhar? Não pode? Então ele não pode exigir que eu tome meu café sem leite até ele conseguir pintar a sala de visitas dele? Pois é. . . .

Mas então decidiram que ninguém tinha o direito de julgar suas próprias

[p.345]

capacidades e necessidades. Tudo era resolvido na base da votação. Sim, senhora, tudo era votado em assembleia duas vezes por ano. Não tinha outro jeito, não é? E a senhora imagina o que acontecia nesses eventos? Bastou a primeira para a gente descobrir que todo mundo tinha virado mendigo — mendigos esfarrapados, humilhados, todos nós, porque nenhum homem podia dizer que fazia jus a seu salário, não tinha direitos nem fazia jus a nada, não era dono de seu trabalho, o trabalho pertencia à ‘família’, e ela não lhe devia nada em troca, a única coisa que cada um tinha era a sua ‘necessidade’, e aí tinha que pedir em público que atendessem às suas necessidades, como qualquer parasita, enumerando todos os seus problemas, até os remendos na calça e os resfriados da esposa, na esperança de que a ‘família’ lhe jogasse uma esmola. O jeito era chorar miséria, porque era a sua miséria, e não o seu trabalho, que agora era a moeda corrente de lá.

Assim, a coisa virou um concurso de misérias disputado por 6 mil pedintes, cada um chorando mais miséria que o outro. Não tinha outro jeito, não é? A senhora imagina o que aconteceu, que tipo de homem ficava calado, com vergonha, e que tipo de homem levava a melhor?

. . .

— Mas tem mais. Mais uma coisa que a gente descobriu na mesma assembleia. A produção da fábrica tinha caído 40 por cento naquele primeiro semestre, e então concluiu-se que alguém não tinha usado toda a sua ‘capacidade’. Quem? Como descobrir? A ‘família’ também decidia isso no voto. Escolhiam no voto quais eram os melhores trabalhadores, e esses eram condenados a trabalhar mais, fazer hora extra todas as noites durante os seis meses seguintes. E sem ganhar nada a mais, porque a gente ganhava não por tempo nem por trabalho, e sim conforme a necessidade.

Será que preciso explicar o que aconteceu depois disso? Explicar que tipo de criaturas nós fomos virando, nós que antes éramos seres humanos? Começamos a esconder toda a nossa capacidade, trabalhar mais devagar, ficar de olho para ter certeza de que a gente não trabalhava mais depressa nem melhor do que o colega ao nosso lado. Tinha que ser assim, pois a gente sabia que quem desse o melhor de si para a ‘família’ não ganhava elogio nem recompensa, mas castigo. Sabíamos que para cada imbecil que estragasse um motor e desse um prejuízo para a fábrica — ou por desleixo, porque não tinha nenhum motivo para caprichar, ou por pura incompetência — quem ia ter que pagar era a gente, trabalhando de noite e no domingo. Por isso, a gente se esforçava o máximo para ser o pior possível.

Tinha um garoto que começou todo empolgado com o nobre ideal, um garoto muito vivo, sem instrução, mas um crânio. No primeiro ano ele inventou um processo que economizava milhares de homens-hora. Deu de mão beijada a descoberta dele para a ‘família’, não pediu nada em troca, nem podia, mas não se incomodava com isso. ‘Era tudo pelo ideal’, dizia ele. Mas, quando foi eleito um dos mais capazes e condenado a trabalhar de noite, ele fechou a boca e o cérebro. No ano seguinte, é claro, não teve nenhuma ideia

[p.346]

brilhante.

A vida inteira nos ensinaram que os lucros e a competição tinham um efeito nefasto, que era terrível um competir com o outro para ver quem era melhor, não é?

. . .

Pois deviam ver o que acontecia quando um competia com o outro para ver quem era o pior.

Não há maneira melhor de destruir um homem do que obrigá-lo a tentar NÃO fazer o melhor de que é capaz, a se esforçar por fazer o pior possível, dia após dia. Isso mata mais depressa do que a bebida, a vadiagem, a vida de crime. Mas para nós a única saída era fingir incompetência. A única acusação que temíamos era a de que tínhamos capacidade. A capacidade era como uma hipoteca que nunca se termina de pagar.

E trabalhar para quê? A gente sabia que o mínimo para a sobrevivência era dado a todo mundo, quer trabalhasse quer não, a chamada ‘ajuda de custo para moradia e alimentação’, e mais do que isso não se tinha como ganhar, por mais que se esforçasse. Não se podia ter certeza de que seria possível comprar uma muda de roupas no ano seguinte — a senhora podia ou não ganhar uma ‘ajuda de custo para vestimentas’, dependendo de quantas pessoas quebrassem a perna, precisassem ser operadas, ou tivessem mais filhos. E, se não havia dinheiro para todo mundo comprar roupas, então a senhora também ficava sem roupa nova.

Havia um homem que tinha passado a vida toda trabalhando até não poder mais, porque queria que seu filho fizesse faculdade. Pois bem, o garoto terminou o secundário no segundo ano de vigência do plano, mas a ‘família’ não quis dar ao homem uma ‘ajuda de custo’ para pagar a faculdade do filho. Disseram que o filho só ia poder entrar para a faculdade quando houvesse dinheiro para os filhos de todos entrarem para a faculdade — e, para isso, era preciso primeiro pagar o ensino médio dos filhos de todos, e não havia dinheiro nem para isso. O homem morreu no ano seguinte, numa briga de faca num bar, uma briga sem motivo. Brigas desse tipo estavam se tornando cada vez mais comum entre nós.

Havia um sujeito mais velho, um viúvo sem família, que tinha um hobby: colecionar discos. Acho que era a única coisa de que ele gostava na vida. Antes, ele costumava ficar sem almoçar para ter dinheiro para comprar mais um disco clássico. Pois não lhe deram nenhuma ‘ajuda de custo’ para comprar discos — disseram que aquilo era ‘luxo pessoal’. Mas, naquela mesma assembleia, votaram a favor de dar para uma tal de Millie Bush, filha de alguém, uma garotinha de oito anos feia e má, um aparelho de ouro para corrigir seus dentes — isto era uma ‘necessidade médica’, porque o psicólogo da empresa disse que a coitadinha ia ficar com complexo de inferioridade se seus dentes não fossem endireitados. O velho que gostava de música passou a beber. Chegou a um ponto em que nunca mais era visto sóbrio. Mas parece que uma coisa ele nunca esqueceu. Uma noite, ele vinha cambaleando pela rua quando viu a tal da Millie Bush, então lhe deu um soco que lhe quebrou todos os dentes da menina. Todos.

. . .

— A bebida, naturalmente, era a solução para a qual todos nós apelávamos, uns

[p.347]

mais, outros menos. Não me pergunte onde é que achávamos dinheiro para isso. Quando todos os prazeres decentes são proibidos, sempre se dá um jeito de gozar os prazeres que não prestam. Ninguém arromba mercearias à noite nem rouba o colega para comprar discos clássicos nem caniços de pesca, mas, se é para tomar um porre e esquecer, faz-se de tudo. Caniços de pesca? Armas para caçar? Máquinas fotográficas? Hobbies? Não havia ‘ajuda de custo de entretenimento’ para ninguém. O lazer foi a primeira coisa que cortaram. Pois a gente não deve ter vergonha de reclamar quando alguém pede para abrirmos mão de uma coisa que nos dá prazer? Até mesmo a nossa ‘ajuda de custo de fumo’ foi racionada a ponto de só recebermos dois maços de cigarro por mês — e isso, diziam eles, porque o dinheiro estava indo para o fundo do leite dos bebês.

Os bebês eram o único produto que havia em quantidades cada vez maiores — porque as pessoas não tinham outra coisa para fazer, imagino, e porque não tinham que se preocupar com os gastos da criação dos bebês, já que eram uma responsabilidade da ‘família’. Aliás, a melhor maneira de conseguir um aumento e poder ficar mais folgado por uns tempos era ganhar uma ‘ajuda de custo para bebês’ — ou isso ou arranjar uma doença séria.

. . .

— Bom, não demorou muito para a gente entender como a coisa funcionava. Todo aquele que resolvia agir certinho tinha que se abster de tudo. Tinha que perder toda a vontade de gozar qualquer prazer, não gostar de fumar um cigarro nem mascar um chiclete, porque alguém podia ter uma necessidade maior do dinheiro gasto naquele cigarro ou chiclete. Sentia vergonha cada vez que engolia uma garfada de comida, pensando em quem tinha tido que trabalhar de noite para pagar aquela garfada, sabendo que o alimento que comia não era seu por direito, sentindo a vontade infame de ser trapaceado ao invés de trapacear, de ser um pato, e não um sanguessuga. Não podia ajudar os pais, para não colocar um fardo mais pesado sobre os ombros da ‘família’. Além disso, se ele tivesse um mínimo de senso de responsabilidade, não podia se casar nem ter filhos, pois não podia planejar nada, prometer nada, contar com nada.

Mas os indolentes e irresponsáveis se deram bem. Arranjaram filhos, seduziram moças, trouxeram todos os parentes imprestáveis que tinham, todas as irmãs solteiras grávidas, para receber uma ‘ajuda de custo de doença’, inventaram todas as doenças possíveis, sem que os médicos pudessem provar a fraude, estragaram suas roupas, seus móveis, suas casas — pois não era a ‘família’ que estava pagando? Descobriram muito mais ‘necessidades’ do que os outros, desenvolvendo um talento especial para isso, a única capacidade que demonstraram.

Deus me livre!

. . .

— A senhora entende? Compreendemos que nos tinham dado uma lei, uma lei MORAL, segundo eles, que punia quem a observava — pelo fato de a observar. Quanto mais a senhora tentava seguir essa lei, mais sofria; quanto mais a violava, mais lucrava.

[p.348]

A sua honestidade era como um instrumento nas mãos da desonestidade do próximo. Os honestos pagavam, e os desonestos lucravam. Os honestos perdiam, os desonestos, ganhavam. Com esse tipo de padrão do que é certo e errado, por quanto tempo os homens poderiam permanecer honestos? No começo éramos pessoas bem honestas, e só havia uns poucos aproveitadores. Éramos competentes, nos orgulhávamos do nosso trabalho, e éramos funcionários da melhor fábrica do país, para a qual o velho Starnes só contratava a nata dos trabalhadores. Um ano depois da implantação do plano não havia mais um homem honesto entre nós. Era ISSO o mal, o horror infernal que os pregadores usavam para assustar os fiéis, mas que a gente nunca imaginava ver em vida. A questão não foi que o plano estimulasse uns poucos corruptos, e sim que ele corrompia pessoas honestas, e o efeito não podia ser outro — e era isso que chamavam de ideia moral!

Queriam que trabalhássemos em nome de quê? Do amor pelos nossos irmãos? Que irmãos? Os parasitas, os sanguessugas que víamos ao redor? E se eles eram desonestos ou se eram incompetentes, se não tinham vontade ou não tinham capacidade de trabalhar — que diferença fazia para nós? Se estávamos presos para o restante da vida àquele nível de incompetência, fosse verdadeiro ou fingido, por quanto tempo nos daríamos ao trabalho de seguir em frente?

. . .

— Não tínhamos como saber qual era a verdadeira capacidade deles, não tínhamos como controlar suas necessidades — só sabíamos que éramos burros de carga lutando às cegas num lugar que era meio hospital, meio curral — um lugar onde só incentivavam a incompetência, as catástrofes, as doenças — burros de carga que só serviam às necessidades que os outros afirmavam ter.

Amor fraternal? Foi então que aprendemos, pela primeira vez na vida, a odiar nossos irmãos. Começamos a odiá-los por cada refeição que faziam, cada pequeno prazer que gozavam, a camisa nova de um, o chapéu da esposa de outro, o passeio que um dava com a família, a reforma que o outro fazia na casa — tudo aquilo era tirado de nós, era pago pelas nossas privações, nossas renúncias, nossa fome.

Um começou a espionar o outro, cada um tentando flagrar o outro em alguma mentira sobre suas necessidades, para cortar sua ‘ajuda de custo’ na assembleia seguinte. Começaram a surgir delatores, que descobriam que alguém tinha comprado às escondidas um peru para a família num domingo qualquer, provavelmente com o dinheiro que ganhara no jogo. Começamos a nos meter um na vida do outro. Provocávamos brigas de família, para conseguir que os parentes de alguém saíssem da lista de beneficiados. Toda vez que víamos algum homem começando a namorar uma moça, tornávamos a vida dele um inferno. Fizemos muitos noivados se romperem. Não queríamos que ninguém se casasse, não queríamos mais dependentes para alimentar.

Antes, comemorávamos quando alguém tinha filho, todo mundo contribuía para ajudar a pagar a conta do hospital, quando os pais estavam sem dinheiro. Nessa época, quando nascia uma criança,

[p.349]

ficávamos semanas sem falar com os pais. Para nós, os bebês eram o que os gafanhotos são para os fazendeiros: uma praga.

Antes, ajudávamos quem tinha doente na família. Depois . . .

. . .

— Bom, vou contar apenas um caso para a senhora. Era a mãe de um homem que trabalhava conosco havia quinze anos, uma senhora simpática, alegre e sábia, conhecia todos nós pelo primeiro nome, todos nós gostávamos dela antes. Um dia ela escorregou na escada do porão, caiu e quebrou a bacia. Nós sabíamos o que isso representava para uma pessoa daquela idade. O médico disse que ela teria que ser internada, para fazer um tratamento caro e demorado. A velha morreu na véspera do dia em que ia ser levada para o hospital. Ninguém nunca explicou a causa da morte dela. Não, não sei se foi assassinada. Ninguém disse isso. Não se comentava nada sobre o assunto. A única coisa que sei — e disso nunca vou me esquecer — é que eu, também, quando dei por mim, estava rezando para que ela morresse. Que Deus nos perdoe! Eram essas a fraternidade, a segurança, a abundância que nos haviam prometido com a adoção do plano.

. . .

[p.351]

— Bem, quando a gente via isso, entendia qual era a motivação verdadeira de todo mundo que já pregou o princípio ‘de cada um conforme sua capacidade, a cada um conforme sua necessidade’. Esse era o segredo da coisa. De início, eu não entendia como é que os homens instruídos, cultos e famosos do mundo podiam cometer um erro como esse e pregar que esse tipo de abominação era direito quando bastavam cinco minutos de reflexão para verem o que aconteceria quando alguém tentasse pôr em prática essa ideia. Agora sei que eles não defendiam isso por erro. Ninguém comete um erro desse tamanho inocentemente. Quando os homens defendem alguma loucura malévola, quando não têm como fazer essa ideia funcionar na prática e não têm um motivo que possa explicar essa sua escolha, então é porque não querem revelar o verdadeiro motivo.

E nós também não éramos tão inocentes assim, quando votamos a favor daquele plano na primeira assembleia. Não fizemos isso só porque acreditávamos naquelas besteiradas que eles vomitavam. Nós tínhamos outro motivo, mas as besteiradas nos ajudavam a escondê-lo dos outros e de nós mesmos, nos ofereciam uma oportunidade de dar a impressão de que era virtude algo que tínhamos vergonha de assumir. Cada um que aprovou o plano achava que, num sistema assim, conseguiria faturar em cima dos lucros dos homens mais capazes. Cada um, por mais rico e inteligente que fosse, achava que havia alguém mais rico e mais inteligente, e que esse plano lhe daria acesso a uma fatia da riqueza e da inteligência dos que eram melhores que ele. Mas enquanto ele pensava que ia ganhar aquilo que ele não merecia e que cabia aos que lhe eram superiores, ele esquecia os homens que lhe eram inferiores e que também iam ganhar aquilo que não mereciam. Ele esquecia os inferiores que iam querer roubá-lo tanto quanto ele queria roubar seus superiores. O trabalhador que gostava de pensar que suas necessidades lhe davam o direito de ter uma limusine igual à do patrão se esquecia de que todo vagabundo e mendigo do mundo viria gritando que as necessidades deles lhes davam o direito de ter uma geladeira igual à do trabalhador. Era ESSE o nosso motivo para aprovar o plano, na verdade, mas não gostávamos de pensar nisso. E então, quanto mais a ideia nos desagradava, mais alto gritávamos que éramos a favor do bem comum.

Bem, tivemos o que merecíamos. Quando vimos o que havíamos pedido, era tarde demais. Havíamos caído numa armadilha, e não tínhamos para onde ir. Os melhores de nós saíram da fábrica na primeira semana de vigência do plano. Perdemos nossos melhores engenheiros, superintendentes, chefes, os trabalhadores mais qualificados. Quem tem amor-próprio não se deixa transformar em vaca leiteira para ser ordenhada pelos outros. Alguns sujeitos capacitados tentaram seguir em frente, mas não conseguiram aguentar muito

[p.352]

tempo. A gente estava sempre perdendo os melhores, que viviam fugindo da fábrica como o diabo da cruz, até que só restavam os homens necessitados, sem mais nenhum dos capacitados. E os poucos que ainda valiam alguma coisa eram aqueles que já estavam lá havia muito tempo.

. . .

— Antigamente, ninguém pedia demissão da Século XX, e a gente não conseguia se convencer de que a companhia não existia mais. Depois de algum tempo, não podíamos mais pedir demissão porque nenhum outro empregador nos aceitaria — aliás com razão. Ninguém queria ter qualquer tipo de relacionamento conosco, nenhuma pessoa nem firma respeitável. Todas as pequenas lojas com as quais negociávamos começaram a sair de Starnesville depressa, e no fim só restavam bares, cassinos e salafrários que nos vendiam porcarias a preços exorbitantes. As esmolas que recebíamos eram cada vez menores, mas o custo de vida subia. A lista dos necessitados da fábrica não parava de aumentar, mas a quantidade de fregueses diminuía. Havia cada vez menos renda para dividir entre cada vez mais pessoas.

Antes, dizia-se que a marca da Século XX era tão confiável quanto a marca de quilates num lingote de ouro. Não sei o que pensavam os herdeiros do velho Starnes, se é que pensavam alguma coisa, mas imagino que, como todos os planejadores sociais e selvagens, eles achavam que essa marca era um selo mágico que tinha um poder sobrenatural que os manteria ricos, tal como enriquecera seu pai. Mas quando nossos fregueses começaram a perceber que nunca conseguíamos entregar uma encomenda dentro do prazo, nem produzir um motor que não tivesse algum defeito, o selo mágico passou a ter o valor oposto: as pessoas não queriam um motor, nem se ele fosse dado, se ostentasse o selo da Século XX.

E no final nossos fregueses eram todos do tipo que nunca pagam o que devem, e nunca têm nem mesmo a intenção de pagar.

. . .

— No entanto, Gerald Starnes, dopado por sua própria publicidade, ficava todo empertigado, com ar de superioridade moral, exigindo que os empresários comprassem nossos motores, não porque fossem bons, mas porque tínhamos muita NECESSIDADE de encomendas.

Àquela altura, qualquer imbecil já podia ver o que gerações de professores não haviam conseguido enxergar. De que adiantaria nossa necessidade, para uma usina, quando os geradores paravam porque nossos motores não funcionavam direito? De que ela adiantaria para um paciente sendo operado, quando faltasse luz no hospital? De que adiantaria para os passageiros de um avião, quando as turbinas pifassem em pleno voo? E se eles comprassem nossos produtos não por causa do seu valor, mas por causa de nossa necessidade, isso seria correto, bom, moralmente certo para o dono daquela usina, o cirurgião daquele hospital, o fabricante daquele avião?

Pois essa era a lei moral que os professores e líderes e pensadores queriam estabelecer por todo o mundo. Se era este o resultado quando ela era

[p.353]

aplicada numa única cidadezinha onde todos se conheciam, a senhora pode imaginar o que aconteceria em escala mundial? Pode imaginar o que aconteceria se a senhora tivesse de viver e trabalhar afetada por todos os desastres e toda a malandragem do mundo? Trabalhar — e quando alguém cometesse um erro em algum lugar, a senhora é que teria de pagar. Trabalhar — sem jamais ter perspectivas de melhorar de vida, sendo que suas refeições, suas roupas, sua casa e seu prazer estariam à mercê de qualquer trapaça, de qualquer problema de fome ou de peste em qualquer parte do mundo. Trabalhar, sem nenhuma perspectiva de ganhar uma ração extra enquanto os cambojanos não tivessem sido alimentados e os patagônios não tivessem todos feito faculdade. Trabalhar, tendo cada criatura no mundo um cheque em branco na mão, gente que a senhora nunca vai conhecer, cujas necessidades a senhora jamais vai saber quais são, cuja capacidade, preguiça, desleixo e desonestidade são coisas de que a senhora jamais vai ter ciência nem terá o direito de questionar — enquanto as Ivys e os Geralds da vida resolvem quem vai consumir o esforço, os sonhos e os dias de sua vida. E é ESSA lei moral que se deve aceitar? ISSO é um ideal moral?

. . .

— Olhe, nós tentamos — e aprendemos. Nossa agonia durou quatro anos, da nossa primeira assembleia à última, e acabou da única maneira que podia acabar: com a falência da companhia. Na nossa última assembleia, foi Ivy Starnes que tentou manter as aparências. Fez um discurso curto, vil e insolente, dizendo que o plano havia fracassado porque o restante do país não aceitara que uma única comunidade poderia ter sucesso no meio de um mundo egoísta e ganancioso, e que o plano era um ideal nobre, mas que a natureza humana não era suficientemente boa para que ele desse certo.

Um rapaz — o mesmo que fora punido por dar uma boa ideia no primeiro ano – se levantou, enquanto todos os outros permaneciam calados, e se dirigiu até Ivy Starnes, que estava no tablado. Sem dizer nada, ele cuspiu na cara dela. Foi assim que acabaram o nobre plano e a Século XX.

================

Transcrito em Campinas, 16 de maio de 2005

Transcrito aqui em Salto, 9 de Janeiro de 2016 (com pequenas modificações e correções)

Ayn Rand e A Revolta de Atlas

(Transcrito, com pequenas modificações e adaptações, do meu blog “Liberal Space” – http://liberal.space)

No artigo seguinte transcreverei um trecho de um romance de autoria de Ayn Rand para dar aos leitores que nunca a leram um gosto de sua prosa.

Rand é uma romancista, filósofa e polemista americana — embora tenha nascido na Rússia (São Petersburgo), em 1905, em lar judeu, com o nome de Alyssa Zinovievna Rosenbaum, só vindo para os Estados Unidos em 1926 — com 21 anos, portanto. Deixou toda a sua família imediata (pais, irmãos e a maior parte dos tios e primos) na Rússia. Dominou a língua inglesa com perfeição e bastante rapidez e fez sucesso escrevendo — sempre em Inglês, nunca em Russo.

O trecho que será transcrito no artigo seguinte mostra a inviabilidade de uma sociedade baseada no princípio “De cada um, conforme sua capacidade, para cada um, conforme sua necessidade”. Em outras palavras, o trecho mostra a inviabilidade do Socialismo.

É um trecho longo. O romance do qual foi retirado é Atlas Shrugged, publicado em 1957. O livro já foi publicado três vezes em Português.

A primeira a publicar o livro foi a Editora Expressão e Cultura, em 1987, no trigésimo aniversário de sua publicação original. A tradução foi de Paulo Henriques Britto. A edição tem 904 páginas, em um só volume, e teve o título de Quem é John Galt?

A mesma edição, com o mesmo título, voltou a ser lançada pela mesma editora em 1999, agora em dois volumes (mas com o mesmo número de páginas total, visto se tratar da mesma diagramação anterior).

Finalmente, a terceira edição foi impressa pela Editora Sextante, com o patrocínio de várias instituições liberais, com destaque para o Instituto Millenium. A tradução é a mesma, mas foi revisada e recebeu nova diagramação. O livro saiu, desta vez, em três volumes, com 352, 382 e 496 páginas, respectivamente, o que traz o total de páginas para 1230. O título em Português foi alterado para A Revolta de Atlas. Em 2010 saiu uma nova impressão, mas agora feita pela Editora Arqueiro, de São Paulo. 

A seguir, transcrevo um artigo meu escrito e publicado (a convite do jornal) na Folha de S. Paulo de 9 de Outubro de 2010, na seção Cifras & Letras, quando do relançamento da terceira edição do livro no Brasil pela Editora Arqueiro, que sucintamente apresenta Ayn Rand e A Revolta de Atlas.

CRÍTICA – LIBERALISMO

Ayn Rand ataca socialismo mostrando greve de patrões

Livro formou economistas como Alan Greenspan, ex-presidente do Fed

Eduardo CHAVES

[ESPECIAL PARA A FOLHA]

A Bíblia do pensamento liberal na segunda metade do século não é um livro de economia ou de filosofia política: é um romance.

Atlas Shrugged, a clássica defesa da liberdade, do individualismo e do capitalismo escrita por Ayn Rand (1905-82), romancista e filósofa russo-americana, acaba de ganhar novo lançamento de sua terceira edição em Português, com novo título: A Revolta de Atlas.

As edições anteriores, publicadas em 1987 (primeira, em um volume) e 1999 (segunda, em dois volumes), e há muito esgotada, tinha o título de Quem é John Galt? A tradução é a mesma, mas foi editada e revisada pela editora Sextante, sendo agora relançada pela Editora Arqueiro. 

Com 1230 páginas na presente edição, o livro tem um enredo extremamente complexo e bem elaborado, que não é possível resumir aqui.

No entanto, uma descrição, ainda que breve, do tema escolhido por Rand dá ideia da dimensão da obra.

Originalmente publicada em 1957, a história se passa nos Estados Unidos, numa época futura em que o país, seguindo o exemplo de países europeus e latino-americanos, caminha para o socialismo e resolve regular totalmente, e assim controlar, a sua economia.

GREVE DOS CHEFES

O livro descreve o que acontece quando aqueles que (como Atlas) sustentam o mundo nas costas resolvem fazer greve, sacudindo o mundo dos ombros e deixando que ele literalmente se dane.

“Vamos ver o que acontece ao mundo quando quem faz greve contra quem” é frase (retirada do livro) que resume o tema da obra.

Entrando em greve, empresários americanos começam a desaparecer, abandonando suas empresas nas mãos de reguladores e controladores estatais. Grandes filósofos, cientistas e artistas também desaparecem, abandonando seus empreendimentos.

O lado otimista da história é que o Estado pode confiscar o patrimônio de empresas e outros empreendimentos, mas não consegue obrigar empresários e outros empreendedores a lhe arrendar suas mentes, sua criatividade, sua competência, seu trabalho.

O Estado, portanto, que fique com os empreendimentos, decidem seus proprietários na história. Mas eles não colocam mais suas mentes a serviço da sustentação de um mundo onde esse tipo de confisco pode acontecer.

(Na realidade, o que deixam para o Estado espoliador não passa da carcaça de empresas e empreendimentos cuja alma eles levaram consigo.)

CAOS

A história narra nos mínimos detalhes o caos que resulta dessa inusitada greve em que aqueles que normalmente são vítimas das greves, os empreendedores e os homens de negócios, retiram do mercado sua mente e seu trabalho, e, no processo, deixam o mundo sem bens, sem serviços, sem empregos.

Quando Atlas faz greve, o mundo literalmente desmorona (mais ou menos como aconteceu com o mundo comunista em 1989).

Ao final da história, quando as luzes do velho mundo se apagam, simbolizando a derrocada que lhe sobrevém quando Atlas deixa de sustentá-lo, a porta está aberta para a construção de um mundo novo: a greve termina e Atlas está pronto para reassumir seu lugar.

———-

EDUARDO CHAVES foi professor de filosofia da Universidade Estadual de Campinas e, depois de aposentado, leciona filosofia da educação no Centro Universitário Salesiano de São Paulo.

TÍTULO: A Revolta de Atlas
AUTORA: Ayn Rand
TRADUÇÃO: Paulo Henriques Britto
EDITORAS: Sextante e Arqueiro
QUANTO: R$ 69,90 (1230 págs.)

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/me0910201005.htm

Em São Paulo, 9 de Outubro de 2010

Transcrito aqui em Salto, 9 de Janeiro de 2016

Back to top